A aposta de Pascal

blaise-pascal-15A religião é uma das mais poderosas forças culturais em toda a história. A crença em Deus ou deuses pode ser explicada por vários fatores e algo que a torna particularmente atraente é a necessidade de um pai, um vigia, um juiz e justiceiro, um vingador, um amigo benevolente. Deus pode assumir algumas ou todas essas características dependendo do contexto e das crenças assimiladas por um indivíduo desde a infância ou após um processo de conversão. Continue lendo

Notas sobre religião

bibliaBÍBLIA. A narrativa da criação no Gênesis não é um relato histórico nem científico, é um poema, uma metáfora. Não existe uma teoria da criação na Bíblia. Por isso a Evolução não contradiz a Bíblia. Babel, o Dilúvio, a abertura do Mar Vermelho, as hierofanias (manifestações divinas) são todas narrativas poéticas, não históricas. A Bíblia não foi escrita a partir dos critérios de verdade de nossos atuais livros de história, critérios que não existiam na época que seus autores a redigiram, ela foi escrita para dar significado e identidade à comunidade hebreia. Seus cinco primeiros livros, o Pentateuco, foram escritos em épocas diferentes por diferentes autores e são versões modificadas de ensinamentos religiosos, tradições orais e familiares. Se você interpretar a Bíblia literalmente verá que ela não faz sentido porque não foi escrita para esse propósito. Se os professores de história e literatura não ensinarem isso aos jovens na escola, quem formará a opinião deles serão os Malafaias da vida. Continue lendo

O que é fundamentalismo

fundamentalismo[5]Fundamentalismo se tornou uma forma de insulto. Quando não se gosta de alguém ou de um movimento, é comum chamá-lo(a) de fundamentalista. Assim fazem, por exemplo, representantes do movimento GLBT com a bancada evangélica no Congresso e vice-versa. Há quem fale de ateus fundamentalistas, de feministas fundamentalistas e por aí vai. No fim, uma questão fica em aberto: quem realmente é fundamentalista? Continue lendo

As fronteiras do secularismo

SecularizaçãoA secularização é um dos fenômenos mais importantes da modernidade. Desde o contexto de seu surgimento, está relacionada com a racionalização da política e com a perda progressiva de valores religiosos da vida humana. Compreender esse fenômeno é essencial para o entendimento de importantes questões em nossa época, que envolvem conflitos e tensões mesmo em países democráticos.  Continue lendo

Intolerância religiosa, nossa velha conhecida

bíbliaMuitos ainda não conseguem perceber, mas a intolerância religiosa no Brasil vem crescendo silenciosamente e com visibilidade maior (embora ainda esporádica) na imprensa. Curiosamente, a maior parte dos gestos de intolerância vem de fiéis de religiões cujos líderes são os que mais reclamam de “perseguição religiosa” – contra eles próprios, é claro – e fecham os olhos e/ou desviam a atenção para ações que cerceiam outros credos e não credos. Continue lendo

[BBC] As religiões vão desaparecer no futuro?

umbandaPor Rachel Nuwer

Um número cada vez maior de pessoas – milhões delas, em todo o mundo – diz acreditar que a vida definitivamente acaba depois da morte e que não existe Deus nem um plano divino. Esse movimento parece estar ganhando força. Aliás, em alguns países, o ateísmo assumido nunca foi tão popular.

“Há muito mais ateus no mundo hoje do que jamais houve, tanto em números absolutos quanto em porcentagem da humanidade”, diz Phil Zuckerman, professor de sociologia e estudos seculares no Pitzer College, na Califórnia, e autor de Living the Secular Life (“Vivendo uma vida secular”, em tradução livre). Continue lendo