Ciência e religião: do conflito à coexistência possível

michelangelo-criacao-do-sol-e-da-luaO físico Stephen Hawking disse certa vez que “Deus pode até existir, mas a ciência pode explicar o universo sem a necessidade de um criador”. Esse pensamento tem uma importância singular para a compreensão que temos da origem do universo e da vida:  levamos milênios para chegar a essa condição, embora os saberes necessários para a compreensão disso não sejam dominados ou sequer vagamente compreendidos pela maioria das pessoas. Então isso quer dizer que a ciência expulsou Deus da explicação do mundo? Continuar lendo

Chico Xavier se comunicava com os mortos?

chico-xavierO espiritismo é uma religião que se apresenta com uma máscara humanitária, voltada para a caridade (assistencialismo) e a ênfase no amor ao próximo. É uma religião que mistura tradições distintas, do Hinduísmo, Cristianismo e do cientificismo do século XIX, de onde provém a importância da obra de Allan Kardec para muitos de seus adeptos, especialmente no Brasil. Essa última influência, o cientificismo, dá ao espiritismo kardecista um direcionamento um tanto quanto curioso: não pretende ser apenas uma religião, aliás, pretende ser menos uma religião do que uma validação científica da mediunidade e da reencarnação, transformando esses signos de dogmas religiosos em verdades empíricas, científicas portanto. Continuar lendo

Uma análise do livro “A linguagem de Deus”

a-linguagem-de-deusFrancis Collins é um autor que dispensa muitas apresentações. O fato de ter sido diretor do Projeto Genoma, estrategicamente colocado logo abaixo de seu nome na edição brasileira de “A Linguagem de Deus” publicada pela editora Gente (2007), já é um aperitivo para ler sua obra, independente do posicionamento religioso do leitor. O pretensioso subtítulo “um cientista apresenta evidências de que Ele existe” só pode fazer sentido, à primeira vista, para um crente. Além disso, o subtítulo também evoca uma preocupação crescente de muitos escritores cristãos nas últimas décadas: a de que a ciência pode fornecer provas concretas para existência de Deus. E há ampla demanda de consumidores religiosos desses manuais; não por acaso o livro de Collins se tornou um Best-seller. Continuar lendo

Genética e espiritualidade

dnaA ciência não prova a existência de Deus ou de uma alma imortal, mas as pesquisas acerca da origem das crenças religiosas têm avançado bastante. Em 1966, a Revista Time publicou uma matéria com o título Is God Dead?, em que se aventava a possibilidade do desaparecimento da religião diante do avanço da secularização. O tempo, porém, desfez esse otimismo e hoje sabemos que a secularização, ao invés de suprimir a religião, cria novas formas de cultos e de alternativas de vivência do sagrado. A secularização pode promover altos índices de desfiliação religiosa, mas não acaba com o senso de espiritualidade e espiritualidade nem sempre está associada à religião. Continuar lendo

Espiritismo: religião sim, ciência não

chico xavier 7O espiritismo é, atualmente, uma das religiões que mais crescem no Brasil. Segundo o último censo do IBGE eles representam dois por cento da população e estão concentrados, majoritariamente, nas regiões Sul e Sudeste. Apesar do baixo percentual, se comparado a católicos e protestantes, a quantidade de pessoas que professam o espiritismo vem crescendo substancialmente no Brasil nos últimos anos. É a religião com o maior número de adeptos alfabetizados. Mas uma de suas características é que pretende afirmar-se não apenas como religião, mas também como ciência. Não é raro ver seus adeptos defenderem essa posição. Eles pretendem que a mediunidade e a comunicação com os mortos sejam pressupostos científicos. Mas, que conceito de ciência poderia de adequar a essa visão? O “x” da questão está nas características que assumiu desde sua fundação.   Continuar lendo