O perigoso mundo das Testemunhas de Jeová

testemunhasQuase todos já devem ter se deparado com aquelas pessoas simpáticas, bem vestidas, que batem à sua porta e começam a falar sobre “um novo céu e uma nova terra”. Elas mostram folhetos bem ilustrados com pessoas vivendo felizes no Paraíso e anunciam sua revista chamada “A Sentinela”. Aparentemente bastante atraente e inofensivo. Mas o que a maioria não sabe é que a adesão ao discurso desses religiosos que se identificam como “Testemunhas de Jeová” poderá significar o fim da vida social e anos de lavagem cerebral. Romper com isso trará sobre o ex-fiel juras de maldição, exclusão (já que ele praticamente não tinha amigos fora do grupo) e muitas vezes renegação pela própria família. Esses grupos sectários pouco se expõem, o que dificulta saber como eles vivem e no que realmente acreditam. Coloco aqui uma matéria da revista Sábado (o link para o texto completo está ao final desta postagem) que fala sobre um grupo de mais de 600 pessoas que deixaram essa religião e hoje contam as coisas de que eram obrigadas a se privarem para serem considerados dignos do Paraíso. A seita já marcou várias datas para o fim do mundo, ou “Armagedom” como eles acreditam (que não é necessariamente um fim no sentido de extinção, mas de uma luta final entre o bem e o mal). Continuar lendo

Anúncios

Protestantismo e repressão sexual

No ensaio “Rejeições religiosas do mundo e suas direções”, o sociólogo alemão Max Weber procurou elucidar as relações de tensão entre as religiões de salvação e o mundo profano e como o ascetismo, em suas variadas formas, buscou responder, em termos comportamentais, a demanda por uma ética condizente com o caráter sagrado de um deus ou uma doutrina. Embora não tenha abordado a questão sexual neste ensaio, fica claro como esses credos tiveram dificuldade de lidar com a regulação do comportamento dos fiéis. Continuar lendo