As jornadas de junho de 2013 e suas consequências

16888700_303
Manifestação em Junho de 2013. Foto: Valter Campanato/ABr/Dw Brasil

De 2013 ao momento em que publico esse texto (2020), o Brasil viveu um clima de instabilidade política constante. Em 2013 o país estava prestes a sediar a Copa do Mundo e tudo parecia ir bem quando um clima de insatisfação social veio à tona e milhões de pessoas foram às ruas protestar contra os escândalos de corrupção que vinham a público. Tudo começou com manifestações contra o aumento de tarifas de transporte público em São Paulo. As jornadas de junho, como ficaram conhecidas as passeatas daquele ano, tiveram um impacto significativo sobre os eventos dos anos seguintes. Continuar lendo

Por que precisamos do politicamente correto

politicamente-corretoPara desespero de muitos que se colocam como conservadores, o politicamente correto veio para ficar, e não por acaso: se trata de uma postura voltada para a positivação de grupos que sofreram e ainda sofrem formas variadas de discriminação, exclusão e estigmatização, com destaque para negros, homossexuais e mulheres, ao que também podemos acrescentar indígenas e idosos, por exemplo. Continuar lendo

O impeachment de Dilma foi golpe?

dilma-impeachmentMuito se falou sobre impeachment e crime de responsabilidade no calor das discussões e das votações (no Congresso e no Senado) para o afastamento de Dilma. Mesmo assim, vimos uma verdadeira guerra de narrativas entre aqueles que disseminaram a ideia do impeachment como “golpe” e aqueles que falaram da legalidade do processo contra a presidente. Debates, opiniões dissonantes e paixões políticas em ebulição confundiram  muita gente. Neste texto, tentarei estabelecer um panorama explicativo sobre isso. Continuar lendo

Alguém falou em luta de classes?

proletariadoLuta de classes é um termo central das relações políticas no Ocidente desde o século 19 e é impossível pensar nisso sem remetermos a Marx, ao Manifesto Comunista de 1848 e a outras obras suas e de Engels. Naquele contexto, a luta de classes dizia respeito ao antagonismo entre o proletariado e a burguesia e, seguindo a trilha dos socialistas franceses, Marx pensou esse conflito como uma etapa que levaria ao socialismo. Ora, o socialismo não representaria ainda o fim das diferenças de classes, mas a tomada de poder pelo proletariado e o fim de sua subjugação pela burguesia. Continuar lendo

Teorias de conspiração: usos e abusos

illuminatiEm um ensaio sobre Escatologia, o historiador francês Jacques Le Goff disse que a proliferação de teorias sobre o fim do mundo (ou dos tempos) é resultado de uma história que não domina mais o futuro. Ele faz alusão às filosofias da história que, a partir de Hegel, adquiriram um sentido de apreensão do significado da história universal. As filosofias da história se desenvolveram no século 19 e são herdeiras do racionalismo iluminista, em que o passado caracterizado pela superstição religiosa e a ignorância seria suplantado, no futuro, pela ciência e sua capacidade crescente de aperfeiçoamento das habilidades humanas. O enredo da história deveria culminar com a liberdade humana e, para pensadores como Hegel e Fichte, essa liberdade estava vinculada ao Estado. Hegel desenvolveu uma concepção de história calcada em leis gerais e continuada, com nuances diferentes, pela tradição idealista alemã, o materialismo histórico de Marx e Engels e o Positivismo. Continuar lendo

A importância das políticas de ação afirmativa

poder-da-escritaA incompreensão do que sejam as políticas de ação afirmativa leva as pessoas a fazer afirmações inadequadas acerca de sua aplicação. Desde as cotas para negros e índios nas universidades e leis de proteção às mulheres, idosos, entre outros grupos, essas políticas têm como alvo grupos sociais específicos vítimas  de discriminação, violência, exclusão e têm como objetivo corrigir e atenuar a desigualdade e promover mais equalização social. Continuar lendo

Da social-democracia ao neoliberalismo

Eduard Bernstein
Edward Bernstein

O Estado de Bem-estar Social (ou Welfare State) foi uma das conquistas políticas mais importantes do século XX. Embora não haja consenso acerca de sua origem, podemos dizer que situa-se entre as décadas de 30 e 50. Sua atuação também não foi homogênea, diferenciando-se de acordo com a região onde funcionou (América do Norte e Oceania, Europa nórdica, continental e Grã-Bretanha). Continuar lendo