A aposta de Pascal

blaise-pascal-15A religião é uma das mais poderosas forças culturais em toda a história. A crença em Deus ou deuses pode ser explicada por vários fatores e algo que a torna particularmente atraente é a necessidade de um pai, um vigia, um juiz e justiceiro, um vingador, um amigo benevolente. Deus pode assumir algumas ou todas essas características dependendo do contexto e das crenças assimiladas por um indivíduo desde a infância ou após um processo de conversão. Continuar lendo

O que há de errado com a militância ateísta?

Ateísmo 2Para a maioria dos ateus no facebook é divertido compartilhar memes de humor religioso, falar de contradições na Bíblia e fazer piadas sobre pastores pentecostais. Mas existe algo intrigante quando se observa a constância dessas atitudes nas páginas ateístas: é que muitas pessoas não conseguem ir além disso e os que vão além em geral partem do humor para a agressividade.  Continuar lendo

As fronteiras do secularismo

SecularizaçãoA secularização é um dos fenômenos mais importantes da modernidade. Desde o contexto de seu surgimento, está relacionada com a racionalização da política e com a perda progressiva de valores religiosos da vida humana. Compreender esse fenômeno é essencial para o entendimento de importantes questões em nossa época, que envolvem conflitos e tensões mesmo em países democráticos.  Continuar lendo

O que é ser ateu

PrometheusProvavelmente nenhum grupo sofre tanta troça e preconceito no Brasil como os ateus. Não, não se trata de um discurso de vitimização, há estatísticas que o comprovam. Mas também é preciso dizer que muitas pessoas que se dizem ateias não têm muita clareza do que isso significa. Dessa incompreensão advém a iniciativa de alguns pela busca de reconhecimento social o que, mesmo em um estado laico, pode ser um erro. O ateísmo nasceu como uma postura negativa: não define uma minoria sociológica, não define um credo, nem mesmo é importante pra definir um indivíduo ou sua posição na sociedade. Continuar lendo

Religiões alienam e são irracionais?

religioesNão é muito raro vermos no ateísmo contemporâneo alguns posicionamentos que conduzem a interpretações reducionistas dos fenômenos religiosos. Por interpretação reducionista compreendo o pensamento que reduz a religião à intolerância e à supressão do pensamento científico e da liberdade de expressão, sem levar em conta as necessidades humanas e os contextos históricos e culturais em que os movimentos e fenômenos religiosos são produzidos. Richard Dawkins pode ser citado como exemplo, mas apenas por algumas colocações específicas (especialmente o apego dogmático de alguns de seus “admiradores no Brasil”) e não pela totalidade de seu pensamento, que possui lances de genialidade incríveis. Continuar lendo

O caminho entre a pseudo-espiritualidade e a pseudo-ciência

stonehenge_copyA maioria das pessoas associa o espiritual a alguma forma de vivência da religião. Por isso, quando conhecem alguém que não crê em Deus ficam atônitas e perguntam: “como você vive?” As ideias de que um estilo de vida não religioso é desprovido de espiritualidade e de que esta associa-se de forma necessária a uma concepção de sagrado é completamente equivocada. Logo adiante, apresento aos leitores um texto do neurocientista americano Sam Harris em que ele comenta o lançamento de seu novo livro sobre o assunto. Harris argumenta que a irreligiosidade não exclui a espiritualidade e que a iniciativa de algumas doutrinas e agentes religiosos de conferir um caráter científico a determinados dogmas tendem a mergulhar as pessoas na vivência de uma pseudo-espiritualidade e na crença em uma pseudo-ciência. No Brasil, nenhuma doutrina exemplifica melhor isso do que o espiritismo. Continuar lendo