O PT e o futuro incerto da esquerda

dilrNão há dúvida de que o PT fez mais pelo social do que os governos anteriores. Isso ainda incomoda muita gente. Mas o PT se afogou na própria grandeza, o partido representava o que havia de melhor na esquerda democrática na América Latina e não por acaso assumiu um lugar de preeminência nela. Diante da crise que se agiganta neste segundo governo Dilma, algo fica evidente: o mensalão e outros escândalos não foram mais agravantes do que o abandono das pautas progressistas de esquerda.

Essa é a principal razão do esvaziamento da aprovação a Dilma. As promessas de não mexer nos direitos trabalhistas, que lhe garantiram a vitória e agora não foram cumpridas, começa a minar todo o projeto de governabilidade do partido. O vazio político que o PT está deixando começa a projetar novamente a retórica populista das lideranças do PSDB, os mesmos que afogaram o país em arrochos salariais, desemprego galopante, dependência do FMI e retração econômica.

Foi lamentável ver a tônica dos discursos das principais lideranças do PSDB na ocasião do anúncio da reeleição de Aécio Neves como presidente do partido neste mês. A ausência de qualquer preocupação com questões sociais e a raiva incontida ao atual governo impressionou até mesmo veículos de comunicação da direita. O Jornal O Globo, em editorial, salientou que essa turma parte do princípio de “quanto pior melhor”, ressaltando inclusive que quem mais perde com isso é a população de baixa renda. É curioso ver um veículo de comunicação das organizações Globo fazer essa crítica a um partido que leva o nome “social-democrata” em seu rótulo.

O PT era praticamente invencível até se destruir por dentro. Lula sentiu a rapidez com que isso está acontecendo e desabafou, falou dos quadros do partido que só pensam em empregos, do abandono das bandeiras de luta, do distanciamento da sociedade. Tudo isso deixou a sociedade à mercê de uma mentalidade autoritária que agora reflete nas posturas do Congresso mais conservador que temos desde 1964.

A retração da esquerda no Congresso, sua inércia e emudecimento diante dos acontecimentos recentes deixou o caminho aberto para lideranças e grupos que de outra forma jamais sairiam do obscurantismo. A perda de apoio social do PT já começa a custar caro a toda a esquerda e especialmente aos trabalhadores. Lula contou em tom de tristeza um questionamento que fez a Dilma em uma conversa: “Companheira, você lembra quando foi a última vez que demos uma notícia boa aos brasileiros?”.

Mesmo com o enfraquecimento do PT, a direita teme a volta de Lula e agora faz uma campanha massiva para desacreditar, desconstruir e aviltar sua imagem. Lula e Dilma possuem perfis muito diferentes de governança: Lula é conciliador e Dilma tecnocrata; Lula valoriza o contato frequente com a sociedade e Dilma prefere o distanciamento e isolamento. Essas diferenças e as divergências que têm resultado delas aumentam ainda mais as tensões.

A oposição pode jogar na cara de Dilma que ela mentiu na campanha, mas o que a oposição tem a oferecer? Seria uma volta ao final dos anos 1990? Afinal, Fernando Henrique Cardoso criticou o modelo de gestão do PT voltado para o consumo, como se a sociedade tivesse de ser penalizada pela crise para além do aumento do custo de vida e da inflação. Estrangular o poder de consumo das famílias para retomar o crescimento e conter a inflação – eis o projeto de gestão do PSDB. Por isso Lula ainda provoca medo, porque não tem adversários à altura e porque seus adversários não tem qualquer comprometimento com políticas sociais. FHC ainda disse que o PT transformou a política de coalizão em política de cooptação, como se o modelo político brasileiro não apresentasse essa característica desde a redemocratização – cooptação que o próprio FHC lançou mão para governar.

Responsabilizar o PT por tudo se tornou lugar comum nos últimos meses e nesse ponto os devaneios da oposição casam com a amnésia social de muitos brasileiros. Claro que a sociedade não deve gratidão ao PT, mas a imolação de um único partido vem despertando os fantasmas da ditadura, dos radicalismos religiosos e até de uma consciência proto-fascista. Tudo isso evidencia o grau de importância que o PT possuía como legenda de vanguarda das esquerdas. Lula subsiste como a última grande liderança que restou do partido. O pensamento conservador que hoje domina o Congresso representa um retrocesso em nossa democracia e um estorvo ao avanço das políticas progressistas. É preciso que a esquerda volte a unir forças e se reorganize para fazer frente a essa mentalidade autoritária, ou sua hibernação poderá ecoar ainda mais os sons dos discursos medievais que se avolumam.

Leia também

A direita e o culto do irracionalismo

O conservadorismo e a história

Os cavaleiros do apocalipse

Anúncios

32 thoughts on “O PT e o futuro incerto da esquerda

  1. João Paulo 07/07/2015 / 12:33

    Prezado prof. Bertone,

    Interessante observar como realmente, na minha opinião, de 2010 ate os dias atuais como a atual gestão tem se perdido e se esquecido do seu passado político. Não que, antes de 2010, estivesse tudo perfeito mas sentia-se um maior entrosamento entre as políticas do governo Lula. Mas queria levantar alguns pontos que tenho debatido com meu prof. de Historia da América aqui da UFS e que seria bom debater aqui, se possível, sobre os partidos de maneira geral e a população. São eles:

    1-Partidos de esquerda mais radicais desde 2003 deixaram de apoiar o PT quando assumiu pois sua política econômica não iria sofrer alterações as que estavam em vigor. Dai nasceu o PSOL em 2005. Como esses partidos, além do PSOL, e os movimentos sociais, também deixaram o PT sem uma direção a seguir e também fazem uma oposição dura mas no meu ver não baixa e rasteira. Como o senhor e os colegas desse blog veem isso?

    2- Articulação no Congresso. De fato temos um congresso muito conservador, a ¨famosa¨ Bancada da Bala, Bíblia e Boi tem muita articulação em conjunto. Meu professor de história da América disse, de maneira sintetizada, que é tudo uma questão de negócios, troca de favores políticos, de projetos ou seja um balcão de negócios de empresas. Nas gestões Lula, o congresso era mais articulado com sua gestão devido as acordos de cargos nos ministérios e a manutenção de uma economia que não afetasse de maneira ríspida o mercado. Dilma e seus ¨aliados¨, ele falou entre aspas porque ele(meu professor) acreditar que PMDB já deixou de ser um aliado a muito tempo, não tem interesse de manter uma coligação forte, inclusive disse também que provavelmente o PMDB lançara um(a) candidato a presidência em 2018 devido a ascensão de Eduardo Cunha.

    3- População e mídia. Questões como a maioridade penal que não discutida de maneira seria pela mídia (globo, sbt, band e record) apenas com seus Datenas e Marcelos Resendes da vida que mostram de maneira rasa e irresponsável tal tema. Talvez dai se tenha o fato de quase 90% das pessoas serem favoráveis a redução por acreditaram que a violência ira diminuir, projeto articulado por uma grande parte da bancada BBB além de o próprio PSDB ser favorael a isso, O Mario Covas deve esta se ¨revirando no túmulo¨ com relação a esse posicionamento.. Provavelmente próximo passo, eu e meu professor discutimos com relação a isso, será rever o estatuto do desarmamento e a privatização dos presídios pois isso gerara um grande lucro a empresas de segurança e as de fabricação de armas. Em meio a tudo isso como ficam as chamadas ¨Jornadas de Junho¨ e suas pautas e a quem interessa essa conjuntura violenta? Como a mídia sem espaço para o debate democrático pode influenciar, se é que influencia.

    4- A ultima questão é com relação a ¨serpente¨ do fascismo que parece querer ¨eclodir¨ seus ovos aqui no Brasil e encontra figuras ditas ¨cristãs¨ e outros com seu discurso de ¨cidadãos de bem¨ e salvar a pátria de ¨tudo de ruim que esta ai¨. Bom esse é o meu maior receio porque ja tantas obras de retratam sobre isso lé autores como Hobsbawm, Francisco Carlos Teixera, Hannah Arendt que falam sobre isso e encontro semelhanças com algumas situções aqui no Brasil principalmente o ultranacionalismo, ultra conservadorismo, anti-esquerdismo( muitas vezes imaginário) e o discurso do que eles chamam de ¨cidadãos de bem¨ de luta pela pátria. Como avaliar isso?

    Desde já agradeço, um abraço.

    • Bertone de Oliveira Sousa 07/07/2015 / 15:46

      João,

      há alguns textos no blog que contemplam tuas colocações. Em relação ao teu primeiro ponto, teci algumas considerações sobre o PSOL e a postura de Luciana Genro na campanha eleitoral no texto “Notas Avulsas”. No segundo ponto, o texto “A crise perpétua da República brasileira”. Sobre o quarto ponto, há o texto cujo link postei ao final desse, “A direita e o culto do irracionalismo”.

      As jornadas de junho ficaram para trás; a polarização ideológica dos discursos políticos tomou o lugar das reivindicações legítimas por mudanças estruturais. O apoio da sociedade ao desarmamento evidencia duas coisas: o desespero por medidas que possam conter a violência e a incapacidade de refletir e entender que a redução da maioridade não contribuirá pra isso, ao contrário, pode agravar, principalmente porque o sistema penal brasileiro não ressocializa nem recupera os que entram lá. Os conservadores fazem barulho em torno disso porque são medidas de impacto midiático e passam pra a sociedade a ideia de que eles estão fazendo o que o PT não quis fazer.

    • Marco Túlio Rocha 09/07/2015 / 11:40

      João Paulo, concordo com o seu professor. Dilma paga por suas maiores virtudes: por ter restringido as negociações com os políticos, pressionado as oligarquias, prestigiado as instituições da República. Merece estátua por isso.
      Para sua infelicidade, o cálculo em relação à economia foi excessivamente otimista e, com isso, o que era ousadia e avanço virou um cutucão em onça com vara curta.
      Creio que não devemos, no entanto, perder o foco. A questão hoje é o confronto com essas forças retrógradas que, pelas circunstâncias, foram todas reunidas, cada qual para manter o seu privilégio.
      A esquerda, a meu ver, erra ao criticar, por exemplo, o ajuste fiscal como um todo. Ajuste fiscal não é política nem de direita nem de esquerda. Karl Marx, himself, tinha, como qualquer ser humano, que viver com o que recebia. Sem ajuste fiscal não há crescimento, nem ampliação de direitos sociais, nem condições políticas para outros avanços necessários e nem sequer para distribuição de renda.
      Quer queiram quer não, o PT é, no momento, o grande guardião dos avanços institucionais no Brasil. O momento é de defesa das instituições republicanas. A crítica, se fôssemos desenvolvidos, expressaria revolta contra a redução da maioridade penal, a limitação do conceito de família, a terceirização das relações trabalhistas, a privatização do pré-sal, o financiamento privado de campanha, a ampliação do mandato dos senadores, as contínuas agressões ao regimento da Câmara, as orações em plenário, a obstrução da Lei de Mídia, a concessão de isenção fiscal a líderes religiosos, as mentiras deslavadas que são veiculadas na imprensa e no meio político contra o atual governo, a tentativa de golpe.
      São questões muito, muito graves, que fazem um social-democrata convicto e de carteirinha, como eu, entrar na defesa total do PT, por reconhecer que ele se transformou no guardião das instituições republicanas brasileiras que o movimento reacionário quer destruir.

  2. diegobassay 07/07/2015 / 12:38

    Hoje identifico o PT como um partido burguês que se mantêm no poder através de votos da classe trabalhadora, realmente é indiscutível as benefícios sociais que o PT trouxe ao Brasil porém uma das coisas boas que acompanham uma democracia é aprender com o passado por isso votei porém jamais votaria no Lula novamente pois acredito que ele já cumpriu seu papel em nossa história, o Brasil não possui boas opções para um futuro modelo governista isso porque há mais de uma década as eleições são disputadas por partidos institucionalizados. Precisamos de uma nova alternativa além de PT e PSDB.

  3. george 07/07/2015 / 13:32

    Espetacular.

  4. maoguima 07/07/2015 / 13:59

    Meu caro professor, deixa-me triste que o apelo populista de Lula tenha inoculado confetes e serpentinas para sempre numa esquerda brasileira incapaz de rejuvencer. Lula tem responsabilidade por tudo que assistimos, desde a noção pouco lúcida de esvaziamento das causas sociais, o aparelhamento do estado e até ao estado de refém de grandes empreiteras. Aliás, o Lula precisa prestar contas de tantas pautas que esvaizou nosso estado de plataformas reformistas necessárias para avançarmos como democracia que às vezes temo por um retrocesso gigantesco. Será que já não está acontecendo?

    • Bertone de Oliveira Sousa 07/07/2015 / 16:01

      Maoguima, realmente um retrocesso já esta à porta. Lula tentou até onde pôde uma agenda social-democrata, mas o Brasil não tem infraestrutura, não tem mecanismos para combater a corrupção que travou o êxito de um programa importante como o PAC, nem foi feita uma reforma tributária, que poderia fazer o país sair mais rapidamente da crise, aumentando a receita pública e tiraria o peso das costas dos trabalhadores. A reforma política que está sendo feita é uma farsa e prova que as principais mudanças que o país precisa não virão de cima.Ao invés disso, para sabotar o governo, a oposição vota até em medidas impopulares e que aumentam a receita pública, como o reajuste abusivo do judiciário que o PSDB votou a favor. Creio que há vários fatores que devem ser levados em conta; Lula cometeu erros, mas nem de longe é o único responsável por esse estado de coisas.

  5. Pedro Henrique F. 08/07/2015 / 6:19

    Bertone é realmente surpreendente o que vem ocorrido. A melhor hipocrisia é que não faltam videos de indivíduos chamando a si de “democratas” ou “nacionalistas”, mas em seus videos falam em, literalmente, ” exterminar a esquerda”. Nessas horas nós percebemos como as coisas podem ir pro buraco, e podem ir rápido. Cada dia que passa sai uma noticia do Congresso que só trás mais decepção e enquanto os partidos anti-pt fazem a farra, todos se focam exclusivamente nesse, ignorando a autocrítica. Situação deplorável que só vai nos levar pra uma época pré-ditadura pelo que parece, pois ainda existem pessoas com nervos para colocar projetos como mudar a constituição para “todo o poder vem de deus”.
    É como se o mundo fosse caindo cada vez mais rápido, esperemos que não se desintegre por completo até se estabilizar.

  6. Vanderlei Rodrigues 08/07/2015 / 13:10

    O maior desafio para qualquer pessoa é não adotar pensamentos irracionais. Um pensamento irracional é aquele que não associa corretamente as causas com seus efeitos, seja invertendo a ordem que há entre eles, seja atribuindo causas erradas para certos efeitos e vice-versa. Também faz parte do pensamento irracional tomar a exceção como justificativa para derrubar a regra, e isso tem acontecido demais no Brasil e mundo afora. Um exemplo disso e a questão do desarmamento, onde a exceção são as pessoas não criminosas que utilizam incorretamente suas armas ou que são vítimas dessas próprias armas. Pega-se a exceção e derruba-se a regra, que é o fato de que um cidadão de bem armado inibe a ação dos bandidos.

    A esquerda tem adotado muitos pensamentos e ações irracionais, ora tratando causas como efeitos e vice-versa, ora querendo derrubar a regra por causa da exceção. Quer mais um exemplo? A Lei da Palmada. Em nome de exceções em que pais ruins maltratam seus filhos, derruba-se a regra de que os pais em geral são bons e tira-se de todos eles o poder de educar seus filhos como entendam melhor.

    Também faz parte do pensamento irracional aceitar os efeitos de uma causa em um caso concreto e, em outro similar, rejeitar essas causas. Por exemplo, no caso da Grécia houve um plebiscito sobre a dívida grega e há quem entenda que a vontade do povo deve prevalecer. Todavia, no caso do plebiscito do desarmamento ou na pesquisa da vontade da população quanto à maioridade penal, é possível ver pessoas de esquerda dizendo que a vontade do povo não deve prevalecer porque o povo não sabe o que está fazendo. Eis uma irracionalidade em forma de contradição.

    O progressismo é responsável por uma série de melhorias no mundo, ao lutar contra irracionalidades como a exploração dos trabalhadores, a discriminação dos homossexuais e das mulheres, etc. Porém, tem caído em inúmeras contradições, desde o comunismo até a exacerbação dos pseudodireitos de certas minorias, como mulheres, crianças, negros e gays.

    Este é o maior desafio da esquerda, como o é da direita: fugir do pensamento irracional.

    • Bertone de Oliveira Sousa 08/07/2015 / 13:58

      Vanderlei, os direitos de minorias não são pseudodireitos. Recomendo que leia um texto que publiquei aqui no blog com o título “A importância das políticas de ação afirmativa”.

      • Vanderlei Rodrigues 08/07/2015 / 17:29

        Estimado Professor Bertone. Não sou contra os direitos das minorias, mas contra os pseudodireitos. Um direito é ou deve ser um efeito necessário de uma causa suficiente, sendo a causa uma estrutura com elementos políticos, econômicos e jurídicos, entre outros, isolada ou conjuntamente. Partindo do direito mais básico, que é o direito à vida, devemos identificar a causa suficiente para todos eles, fazendo a distinção entre os direitos que têm um custo econômico e os que não têm. O poder de uma criança de 12 anos decidir sobre mudança de gênero, por exemplo, não conta com uma causa suficiente, no meu ver, porque ela não tem maturidade suficiente para decidir esse tipo de coisa, assim como não o tem para decidir a maioria das coisas em sua vida. Em razão disso é que se atribui o poder familiar aos pais ou responsáveis. No entanto, há pessoas de esquerda que defendem isso, que uma criança de 12 anos possa decidir se não quer mais ser identificado como menino ou menina, atribuindo-lhe esse direito (pseudodireito, no meu entender). Outro exemplo de pseudodireitos são aqueles que têm um custo econômico, mas, no entanto, não há riqueza suficiente para atender a essas exigências. Nesse caso, também não há causa suficiente para a existência do direito, ou seja, se não há riqueza suficiente gerada por alguém, individual ou coletivamente, para concretizar o interesse, não há o efeito pretendido, isto é, o direito. A existência da riqueza, no caso dos direitos que têm um custo econômico, é um dos elementos integrantes da estrutura da causa para a criação desses direitos. Concretamente falando, fala-se em direito a moradia, mas será que existe riqueza suficiente para garantir moradia para todas as pessoas que de moradia necessitam? Se existe, é necessário dizer onde ela está, como foi criada e como ela foi destinada para essa finalidade. Isso é tão óbvio quanto a existência de milhares ou milhões de pessoas sem moradia em nosso país. Esse raciocínio se estende a todos os “direitos” sociais. Se não há causa ou suporte suficiente para certos direitos, não podem existir esses direitos. Os direitos que podem existir são aqueles que, dentre outros fatores, contam com um suporte material suficiente. Sou favorável aos direitos das minorias, porque sou de esquerda, mas não sem uma causa suficiente.Vejamos o caso das cotas para negros nos cursos superiores. Um dos elementos da causa para a sua concretização é, além do histórico de discriminação contra os negros, que a pessoa interessada se autodeclare negra. Ora, esse fator da autodeclaração é tão insustentável quanto a possibilidade um branco se declarar negro e não poder ser impedido de entrar no curso superior, porque ninguém pode afirmar que ele não tem “sangue negro”. No caso da criminalização de homofobia, por exemplo, qual seria a causa suficiente para essa distinção entre matar uma pessoa por um motivo qualquer e matar alguém por ele ser homossexual? Não passa a ideia de que o homossexual é superior ao heterossexual? Não bastaria enquadrar o motivo como fútil ou torpe e, em razão disso, aplicar o respectivo aumento de pena (art. 61, inciso II, alínea “a”, do Código Penal)? Entendo que sim, até porque acredito que não há racionalidade na distinção entre um heterossexual e um homossexual, no que diz respeito ao direito à vida. No mais, é necessário distinguir direitos de interesses. Os interesses são pretensões que ainda não contam com uma estrutura causal suficiente e, logicamente, não podem ser amparadas pelo Direito. Interesses podem se tornar direitos, mas muitos deles nunca chegam a se tornar, seja por falta de causa suficiente, seja em razão da prevalência de interesses contrários. O papel da esquerda é buscar a transformação de interesses em direitos, mas não o pode fazer de forma irracional, impondo efeitos quando não há causa suficiente. A racionalidade é um dos limites para a transformação de interesses em direitos. Eu sei que alguém pode dizer que há causa suficiente em todos esses exemplos dados acima e isso é objeto de discussão, dada a existência de diferentes pontos de vista. A única coisa que não se pode admitir é que alguém minta pra si mesmo, violando a sua própria consciência, ao dizer que acredita na existência de causas nas quais, efetivamente, não acredita, ou nem mesmo parou para refletir na sua existência. Cordialmente.

      • Bertone de Oliveira Sousa 08/07/2015 / 23:13

        Vanderlei, você parte de uma noção economicista e de pontos que não se aplicam ao assunto em questão. Mesmo na esquerda, ainda há um entendimento muito simplório sobre cotas e outras conquistas de minorias, a despeito de existirem boas publicações sobre o assunto.

      • Vanderlei Rodrigues 09/07/2015 / 21:15

        Ok, Professor. Vou ler o texto recomendado e continuemos.

  7. Sandro Oliveira de Carvalho 08/07/2015 / 16:05

    A análise isenta que faz o historiador Bertone Sousa a respeito do delicado momento em que atravessa o país, constitui um alerta ao povo e às forças políticas que se movem na situação e na oposição. Que o povo brasileiro não permita que discursos panfletários e de extremismos ideológicos, bem como de agressiva militância, minem a democracia e as conquistas que alcançamos como uma nação. A economia mundial vive dias de grande turbulência e não podemos permitir que a situação se agrave ou saia de controle no Brasil em razão de discursos de desagregação movidos por agentes sociais cheios de ódios e ressentimentos. O Brasil é mais importante que disputas ideológicas.

  8. Morais 09/07/2015 / 22:00

    1) O PT caiu em desgraça porque promoveu o assistencialismo sem responsabilidade fiscal. O que incomoda muita gente não é o que o PT fez pelo “social”. O que nos incomoda é o assistencialismo irresponsável para ganhar votos.
    2) O motivo do abandono das pautas sociais é justamente a gastança irresponsável com assistencialismo e aparelhamento estatal.
    3) Não há diferença ideológica entre PT e PSDB. Fazer estas comparações entre Lula e FHC é extremamente inútil.

    • Bertone de Oliveira Sousa 09/07/2015 / 22:39

      Morais,

      você deve estar se referindo ao bolsa família, que não é assistencialismo, é programa de redistribuição direta de renda, que deu muito certo. O PT não fez isso pra ganhar votos, mas ganhou votos porque fez isso, há uma enorme diferença aí e nenhum partido tinha e tem qualquer projeto de redução da pobreza e da miséria como o PT teve. E não foi por causa dos programas sociais que a economia emperrou, mas porque o crescimento econômico não foi acompanhado de melhorias da infraestrutura do país e nesse ponto o governo federal tem menos culpa do que os governos estaduais e municipais, cujas verbas que recebem e arrecadações que fazem como IPTU não são revertidos pra onde devem ser. Numa República federativa, não é possível culpar apenas o executivo federal pelas coisas que não dão certo. Por último, não falei de diferenças ideológicas entre Lula e FHC, mas de gestão e de projetos sociais. Claro que o PT cometeu erros e já apontei e critiquei isso aqui, mas seu comentário mostra a ingenuidade infantil das críticas que são dirigidas ao governo e a incompreensão de coisas básicas como políticas sociais e programas de distribuição de renda, que é o tipo de infantilidade que se encontra a granel nas redes sociais.

      • Morais 10/07/2015 / 12:35

        1) Não estou me referindo somente ao Bolsa Família. Faço referência a todo tipo de atitude desastrada do PT para ter e manter um eleitorado cativo.
        2) Em nenhum momento disse que a economia emperrou por causa dos programas sociais.
        3) Os programas sociais e a distribuição de renda só são benéficos quando há responsabilidade fiscal.

    • Dantas 27/07/2015 / 13:26

      Um programa do porte do Bolsa Família compromete meros 2% do orçamento. Uma bagatela, considerando seus benefícios sociais e econômicos. Econômicos sim, basta observar a quantidade de pequenos negócios que nasceram na esteira deste processo e o aumento do consumo das classes C e D. Curiosamente, nunca se fala no aumento da dívida pública, cujos juros correspondia, até o último estudo que li sobre, 32% do orçamento. Não ter aumentado o preço da gasolina, redusido o juros da divida com as devidas amortizações ou ter investido no setor energético foram a meu ver os grandes vacilos do governo, cujos frutos colhemos agora.

  9. Sandro Oliveira de Carvalho 13/07/2015 / 15:45

    Professor Bertone Sousa, estamos assistindo movimentos da direita, bem como de setores reacionários e conservadores, visando o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, sendo que em alguns aspectos esses movimentos parecem lembrar algo do que ocorreu em relação ao período e ao governo de João Goulart, como, por exemplo, em relação ao estabelecimento do sistema de governo parlamentarista, sistema este defendido inclusive pelo presidente da Câmara dos Deputados. Desta forma, como o senhor analisa esses movimentos que muitos interpretam como sendo tentativas, assumidas ou não, de golpe contra o mandato da presidenta Dilma Rousseff? Estaríamos próximos de repetir a história, ainda que como farsa? E Quais seriam as possíveis consequências ou desdobramentos para a democracia e a economia na hipótese de prosperarem esses movimentos que muitos não têm dúvidas de chamar de golpistas?

    • Bertone de Oliveira Sousa 13/07/2015 / 20:42

      Sandro, não dá pra comparar com a época do Goulart porque as épocas são bem diferentes, assim como os motivos por que querem depor a presidente. Na verdade, também não dá pra chamar o impeachment de golpe porque está previsto na Constituição; a questão é que os erros cometidos pelo PT nos últimos anos inflamaram os ânimos de uma oposição que agora quer ver o PT fora do poder depois de quatro derrotas eleitorais sucessivas e pegando carona na queda drástica da popularidade de Dilma para cooptar o apoio da sociedade. Nesse sentido, não dá pra falar de repetição nem como farsa – os atores, as motivações, os interesses em jogo são muito distintos daqueles de 64.

  10. Rafael sousa 13/07/2015 / 21:23

    Professor bertone o pt errou em adotar o fisiologismo político para ter estabilidad; também gostaria de perguntar se o pt cometeu outro erro em não ter promovido reformas estruturais tais como:reforma tributária adequada à questão social brasileira, não colocar na pauta as lutas da classe trabalhadora.

  11. Dantas 27/07/2015 / 13:15

    Bertone,
    Pelo que percebo em seus textos mais recentes a onda conservadora que temos assistido parece esta ocupando um maior espaço em suas preocupações. Lembro que desde ano retrasado eu estava aflito com sua emergência, da qual a bancada evangélica é um sintoma . Eu intuia o perigo de um retrocesso baseado no meu circulo de amizades e profissional, composto majoritariamente pela classe média, que se mostravam indiferentes aos avanços sociais alcançados ate então.
    Acho que a progressiva ascensão de uma direita sem projeto social, limitada a teorias da conspiração, golpismo e agendas morais demonstra um retrato de nossa sociedade que a esquerda e muitos intelectuais teimavam em não ver. E contrariando a posição da maioria, continuo convencido que nenhuma das conquistas sociais conseguidas até agora são plenamente consolidadas. A lei da terceirização vai destruir mais de uma década de jurisprudencia em defesa do trabalhador tida por consolidada, por exemplo. Sem um movimento maciço dos princiapais interessados, a classe trabalhadora, Se fosse um ato pró-familia, pró-Deus, contra aumento de 10 centavos na gasolina, contra o PT, ia lotar as ruas.

    Abraço,

    Dantas

    • Bertone de Oliveira Sousa 27/07/2015 / 18:59

      Dantas, a meu ver um dos fatores mais preocupantes dessa reação é a miopia para o problema da corrupção. Pretende-se criminalizar o PT e, por extensão, toda a esquerda, mas não há um movimento contra os altos salários dos poderes legislativos nas três instâncias, com os patrimônios de prefeitos e governadores que não condizem com seus ganhos. É claro que o PT se envolveu em falcatruas, mas os movimentos anti-governo quase sempre atacam justo o que eu certo nessa gestão, como os programas sociais. Essas manifestações têm uma carga forte de ressentimento, são cheias de contradições, como falei no texto “conservadorismo à brasileira” e isso torna essa reação em muitos aspectos fraca, até porque a sociedade não é tão conservadora como muitos de seus expoentes querem ou pensam. E você tem razão, a esquerda não estava preparada para esse tipo de cenário. Também concordo com você que o governo está recuando de conquistas importantes e isso, somado à decepção das pessoas com o disparate entre o discurso de campanha da Dilma e as medidas de seu segundo mandato, vai custar caro ao PT, que poderá perder seu capital político e se tornar inelegível; Lula já antevê isso, por isso tem demonstrado tanta preocupação.

  12. Gabriel Tavares 28/11/2015 / 11:01

    Professor Bertone Sousa,eu não apoio os métodos de gestão petistas,o partido se perdeu ao se deixar dominar pela corrupção,é vergonhoso esse Petrolão,mas por outro lado,porque só os petistas que são presos?Fica realmente parecendo perseguição do judiciário ao petismo,não que as prisões sejam injustas,foi provado o envolvimento de José Dirceu,José Genoíno e agora do senador do Mato Grosso do Sul,Delcídio do Amaral em coisas ilícitas,o que justifica a detenção deles,mas Eduardo Cunha possui contas na Suíça com dinheiro desviado e não foi preso,assim como Aécio Neves,que desviou dinheiro público para construir aeroporto particular na fazenda de seu tio,ou Perella,flagrado em seu helicóptero com cocaína.

  13. Gabriel Tavares 02/12/2015 / 23:51

    Professor Bertone Sousa,e agora que Eduardo Cunha abriu processo de impeachment contra a presidenta Dilma,o senhor acha que esse impeachment de fato pode vir a se concretizar?

    • Bertone de Oliveira Sousa 03/12/2015 / 13:29

      Gabriel, não creio que esse impeachment vá passar, até porque vários juristas já argumentaram que as pedaladas fiscais não dão base a isso e a oposição não conseguiu imputar nenhum crime a Dilma. O clima vai ficar tenso por causa do desgaste do governo por conta dos efeitos do ajuste fiscal, além disso a cassação pode piorar a instabilidade e a crise.

  14. Gabriel Tavares 02/12/2015 / 23:57

    O irônico dessa atitude de Cunha de pedir o impeachment,é que o vice presidente da República,Michel Temer,é do PMDB,mesmo partido de Cunha,resta saber de que lado Michel Temer e o restante do PMDB vai estar,se do lado de Dilma ou do lado de Cunha!

  15. Gabriel Tavares 04/12/2015 / 17:49

    Professor Bertone Sousa,estava lendo um texto da Socialista Morena http://www.socialistamorena.com.br/que-pais-voce-quer-para-seus-filhos/ em defesa de Dilma,e em acusação a Cunha que me deixou em dúvidas,em determinado trecho em que ela diz como seria o país caso os aliados de Cunha chegassem ao poder,ela diz:– Um país que persegue homossexuais.– Um país que persegue praticantes de outras religiões que não a “oficial”.E mais adiante no texto ela diz que esse país se pareceria com o Irã,mas o Irã condena homossexuais a morte,e pena de morte é inconstitucional no Brasil,além de que a liberdade de culto é clausula petrea da Constituição Federal,não pode ser alterada,a intenção da Socialista Morena até foi boa,de defender a Dilma,mas no final o texto ficou confuso,pareceu querer tocar um clima de terror ao comparar a bancada evangélica com o regime iraniano,ela até que é uma jornalista talentosa,experiente,mas se perde muito nessa militância desnecessária,em outro texto ela disse que Lobão e Roger,vocalista do Ultraje a Rigor se tornaram direitistas devido a origem burguesa de suas famílias,raciocínio totalmente incompleto,limitado,quer dizer que não existem ricos de esquerda?http://www.socialistamorena.com.br/a-volta-do-filho-de-papai-prodigo-ou-a-parabola-do-roqueiro-burgues/

    Fidel Castro nasceu em uma das famílias mais ricas de Cuba,e ele juntamente com seu irmão Raul continuam no poder em um governo socialista até hoje,não se tornaram direitistas,pensamento limitado associar origem social a posição política,existem muitos pobres de direita também.E ela acha que Nelson Rodrigues não era reacionário só porque ele escrevia peças de teatro com certo teor erótico,pq na teoria os reacionários são contra o erotismo,outro pensamento limitado!Nem sempre a direita é moralista!

    http://www.socialistamorena.com.br/tag/teatro/
    ´´Agora me diz: você consegue imaginar Jair Bolsonaro assistindo a uma peça ou filme destes? Os Revoltados Online? Eduardo Cunha? Marco Feliciano? O jovem Kim Kataguiri, coitado, ia ficar assombrado. E o Olavo de Carvalho, então? Nelson Rodrigues era anticomunista, sim. Mas, para mim, sua obra está mais para Marcha das Vadias do que para Marcha Para Jesus. Falou em Marcha para Jesus,e desde quando a direita é sempre moralista e religiosa?Rodrigo Constantino é assumidamente ateu,Diogo Mainardi também,e não deixam de ser ´´reaças´´ ,e Paulo Freire era cristão,assim como Leonardo Boff e Frei Betto o são,e não deixam de ser de esquerda por isso,que pensamento mais limitado dessa jornalista de associar direita com origem social,moralismo e religião cristã!Eu a admirava quando comecei a lê-la ,depois que comecei a perceber essas visões limitadas de mundo,passei a considera-la um desserviço a esquerda!

  16. Gabriel Tavares 04/12/2015 / 18:03

    Se essa linha de esquerdismo da Socialista Morena começar a crescer,aí sim que o futuro da esquerda será cada vez mais incerto professor,é uma esquerda,que diferente do PT,se assume como ´´bolivariana´´ como ela mesmo disse no blog,e é incapaz de dialogar com a direita,nem sequer sabe fazer diferenciações entre a direita conservadora,esta sim gosta de aproximar o estado da religião,o que faz a Bancada Evangélica,e o que defende o Olavo de Carvalho,mas eu nunca vi o Kim Kataguiri,que ela citou no texto que segundo ela ficaria chocado ao assistir uma peça erótica de Nelson Rodrigues falar em religião,assim como há direitistas liberais como Rodrigo Constantino e Diogo Mainardi que são ateus assumidos,nem sempre a direita é religiosa e moralista,assim como nem sempre a esquerda é atéia,a prova é que existem os padres da Teologia da Libertação,sério professor fiquei muito irritado com um pensamento tão limitado!Além do que comparada a bancada evangélica com o regime iraniano!Me irrito muito mais com essas falhas da esquerda,porque sou esquerdista,me assumo como tal,e fico enojado de ver tanta incompetência e mente fechada em seguidores da mesma ideologia que eu!Acredito que se é para fazermos diferença,e afastarmos essa direita fascista que vem crescendo,devemos nos unir,e mostrarmos sermos diferentes,sabermos conquistar as pessoas pelo diálogo,e não tocando terror com ameaças de regime iraniano,e mostrando o outro lado sempre como moralista,religioso e rico!Nesse ponto ela não é diferente de Olavo de Carvalho que sempre retrata a esquerda como comunistas conspiradores do Foro de São Paulo e comedores de criancinha!

    • Bertone de Oliveira Sousa 04/12/2015 / 20:25

      Gabriel, essa socialista morena é limítrofe, é uma olavete de esquerda. Não vale a pena perder tempo com gente assim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s