Um perfil de Olavo de Carvalho

Recentemente, o texto “Olavo de Carvalho: um filósofo para racistas e idiotas” ultrapassou cinco mil compartilhamentos no Facebook e há meses é um dos textos mais lidos diariamente neste blog. No total, os textos sobre o filósofo de boteco publicados nesta página, até o momento em que escrevo estas linhas, somam mais de dez mil compartilhamentos nas redes sociais e mais de setenta mil visualizações e crescendo diariamente sem contar outros sites e blogs que os têm republicado. Devo isso aos leitores que têm ajudado a espalhar essas informações como gotas no oceano de mentiras com as quais Olavo contamina a internet há muitos anos. Como muitos leitores chegam aqui digitando o nome dele nos mecanismos de pesquisa, é importante advertir aos mais jovens ou mais inexperientes quem é Olavo de Carvalho. Embora possa passar a impressão de estar falando “mais do mesmo”, há elementos aqui importantes para quem quer ter perfil geral deste senhor. Antes, porém, preciso registrar uma resposta tardia.

Na última vez que discuti com ele, Olavo quase se descabela por causa de minhas afirmações acerca do apoio militar norte-americano colocado à disposição dos militares brasileiros antes do golpe de 1964. Para ele, isso não passa de conspiração soviética que os brasileiros apenas reproduzem. Embora hoje saibamos que Jango não era comunista nem pretendia dar um golpe de Estado no Brasil, Olavo ainda insiste em sua postura mesquinha e quixotesca de culpar o ex-presidente por algo que ele não planejava fazer.  Como lhe mostrei renomados historiadores no país que demonstraram a veracidade das afirmações que levantei (Boris Fausto, José Ênio Casalecchi, Francisco Carlos Teixeira da Silva, Vitor Amorim de Ângelo, ao que podemos agora acrescentar os nomes de Elio Gaspari e Carlos Fico), o sr. Olavo irritou-se de tal maneira que escreveu um último texto abandonando completamente a discussão e fazendo acusações insultuosas e criminosas contra minha pessoa. Que Olavo de Carvalho é perito em fazer essas presepadas, não  e novidade pra ninguém. Ele já havia cometido crimes de calúnia, injúria, difamação e racismo contra mim e tudo devidamente comprovado neste blog. Não é à toa que o nauseabundo jornalista mora nos Estados Unidos, de onde pode confortavelmente imputar crimes a terceiros sem ser incomodado pela justiça brasileira. Vejam, por exemplo, o comentário que ele deixou no texto “A confusão mental dos seguidores de Olavo de Carvalho” em 18 de março de 2013:

olavo-blog

Novamente me acusa de “criminoso” da forma mais irresponsável. Se ele acha que eu teria medo de dizer qualquer coisa aqui registrada face a face, por que não faz o teste? O desafio foi aceito, mas ele nem respondeu.  Se “banimento” não implica em eliminação, a quem esse vigarista acha que está enganando? Ou ele pensa que todos baixarão a cabeça como fazem seus aduladores acéfalos? Agora vou discutir o texto “Psicopatas”, publicado no Mídia sem Máscara e em seu site pessoal, “olavodecarvalho.org”. Apesar me insultar de vigarista, idiota, entre outros adjetivos dignos de seu caráter deformado durante toda a discussão, decidi levar o assunto adiante mais para esclarecer os leitores do que propriamente para responder a suas vis diatribes. No referido artigo, Olavo se dirige a mim e ao professor da UFRRJ Paulo Ghiraldelli Jr. pela afirmação de que ele não foi aprovado no vestibular da USP, qualificando-nos como desprovidos de consciência moral e (como já é de seu feitio) fazendo-se de vítima injustamente imolada por nós dois e diz:

Ghiraldelli e Bertone são obviamente psicopatas. Psicopatas leves, daqueles que não chegariam provavelmente ao homicídio, mas que vão abrindo caminho na vida com pequenos delitos sutis, quase imperceptíveis, defendendo-se valentemente contra qualquer intrusão da consciência moral num assunto tão importante quanto a glória do seu ego no mundo.

Não conheço pessoalmente o professor Paulo Ghiraldelli, nunca fui seu aluno e não tenho permissão (nem a intenção) de falar em seu nome. Apenas li alguns de seus livros e acompanho seu blog, de onde republiquei alguns textos aqui. Portanto, o que segue são apenas minhas considerações sobre a acusação criminosa e estapafúrdia de Olavo de Carvalho. Qual é seu critério para afirmar que cometo “delitos sutis”, “que não chegariam provavelmente ao homicídio” e que me ofendo contra o que ele acha ser “intrusão da consciência moral” em meu ego? Aliás, de quem seria essa “consciência moral” a que ele se refere? A dele próprio? Ou uma suposta consciência superior da qual ele se coloca como porta-voz? Para me acusar de criminoso, Olavo fala de “consciência moral” como uma categoria a-histórica e de cunho religioso (ele deixa isso claro no parágrafo anterior). Em outras palavras, como ele não tem qualquer prova para me acusar de um delito civil, inventa uma acusação e, numa argumentação que remete à mente totalitária, me acusa de um “crime de falsa consciência”, isto é, de divergir de uma mentalidade da qual ele se coloca como porta-voz e no direito de imputar um comportamento criminoso a outrem e arremata:

Quando começo alguma discussão, parto do princípio de que o meu antagonista, se não é um primor de honestidade, é pelo menos uma pessoa normal. Procuro então ater-me ao assunto da discussão, sem reparar muito na “forma mentis” do adversário. Meus leitores são testemunhas da atenção sem fim que dou aos argumentos de críticos e antagonistas, mesmo quando obviamente idiotas. Já quando percebo que o debatedor é um desequilibrado, que portanto o tema em discussão não é o verdadeiro foco dos seus pensamentos, mas apenas o pretexto ocasional para a busca de uma compensação neurótica ou a expressão de uma genuína fantasia psicótica, paro imediatamente a discussão para não ferir mais fundo uma mente que já vem ferida. Mas, se identifico nele algo de mais grave, não uma simples doença mental, uma neurose ou psicose, e sim uma psicopatia em sentido estrito, é preciso algo mais do que interromper um debate. É preciso advertir à platéia que estamos todos na presença de um criminoso.

Aqui ele se coloca como vítima e ao mesmo tempo como alguém compassivo (ele para a discussão para “não ferir mais fundo uma mente que já vem ferida”). Olavo de Carvalho, que jamais se formou em nada, também se acha no direito de identificar uma pessoa que ele sequer conhece como “doente mental”, “psicótico”, “neurótico” e para quê? Para “advertir à plateia”. Aqui está o X da questão. Embora a discussão tenha sido comigo, em nenhum momento ele falava comigo, mas com uma “plateia”, que não é nada mais e nada menos do que sua matilha de olavetes que o acompanha no Facebook, onde ele postava primeiramente suas réplicas para deleite de seus bajuladores. Desse modo, as acusações acima são feitas para esta plateia, para impressioná-la e denegrir de tal forma a imagem do opositor que o assunto da discussão se torna completamente irrelevante. Pintado como um criminoso, o opositor, no caso eu, passa a ser demonizado por seus claques, de maneira que não possa mais ter qualquer razão no debate.

Por que, então, Olavo apelou a um artifício retórico tão abjeto e criminoso? Só posso concluir que o fato de eu ter mostrado várias referências bibliográficas, depois de ele ter dito que eu não tinha nenhuma e ter desconstruído seus argumentos equivocados acerca da relação Brasil e Estados Unidos antes do golpe, sua fúria não lhe permitiu engolir o próprio ego sem antes tentar destruir a reputação do interlocutor. Por outro lado, ele mente descaradamente quando diz, no início do parágrafo, que “procura ater-se ao assunto da discussão” por uma questão de “honestidade”. Em todos os seus textos, Olavo lançou mão de variados insultos e calúnias (como dizer que eu deveria ser banido da vida intelectual brasileira – numa clara expressão de um pensamento totalitário), e por último fugiu ao assunto mostrando quem realmente é desequilibrado e neurótico de nós dois.

Por outro lado, Olavo não sabe o que é um psicopata e faz uma acusação criminosa a mim apenas por uma raiva pessoal. Seu único critério para fazer essas acusações é apenas a ojeriza que sente pelo interlocutor quando confrontado. Olavo mente quando diz ater-se ao assunto da discussão. A primeira vez que respondeu a mim, não conteve seu ódio por eu ter levantado alguns questionamentos (clique aqui para ler). Nas ocasiões em que discutimos, Olavo sempre foi o primeiro a abandonar o assunto da discussão para lançar mão de todas as ofensas pessoais de que lembrava. Isso não apenas demonstra uma fraqueza de caráter, mas também uma deformidade de caráter: ao não suportar ser questionado ou confrontado, ele passa a tentar destruir a honra do opositor. Não por acaso, ele passou anos espezinhando Marilena Chauí (a renomada professora da USP jamais lhe deu qualquer atenção), Leandro Konder e qualquer intelectual de esquerda nacionalmente conhecido, a quem ele sempre chamava ao debate, tanto para compensar sua impossibilidade de formação universitária, como também para alardear uma superioridade intelectual, apenas reconhecida por outros fracassados e ressentidos que se tornaram seus seguidores na internet.

Por mais que eu divirja do sr. Olavo e não goste de suas posturas de extrema direita, não posso chamá-lo de psicopata, tanto porque não o conheço pessoalmente, como também não sou um especialista para fazer esse tipo de diagnóstico, assim como ele também não é, embora uma das características de um psicopata seja deficiência de caráter, como o sentimento de superioridade e megalomania, facilmente encontrável em seus textos, vídeos e virtualmente tudo o que escreve no facebook, como isso:

fanatismo

Clique aqui para saber mais sobre o assunto a partir de um artigo da revista Mente e Cérebro. Seria mesmo muito interessante que alguém fizesse um diagnóstico psiquiátrico do senhor Olavo de Carvalho, reunindo seu histórico, seus ressentimentos e frustrações, sua raiva incontida, seu fanatismo religioso, tudo isso amplamente disponível em seus artigos e vídeos.

Se ele acha que as pessoas são injustas ao falar dele, é importante então levar em conta o que diz de si mesmo e o que ele fala sobre variados assuntos que também falam dele mesmo.

Depois desse texto, Olavo publicou em seu facebook que ele não poderia ter reprovado no vestibular da USP uma vez que nunca fez esse vestibular e ele nunca fez (pasmem os leitores) porque abandonou a escola na quarta série! Segundo suas próprias palavras:

olavo

Essa é uma afirmação realmente muito curiosa, pois em seu site pessoal  há um texto que diz o seguinte:

Olavo Luiz Pimentel de Carvalho, 54, nasceu em Campinas, interior de São Paulo. Estudou Filosofia no Conjunto de Pesquisa Filosófica da PUC do Rio de Janeiro por três anos, sob a direção do Padre Stanislavs Ladusãns. Apesar de não ter podido terminar o curso – fechado após a morte de Ladusãns -, Olavo de Carvalho não quis dar prosseguimento aos seus estudos em outra instituição de ensino superior. “Os outros cursos de Filosofia que eu conhecia neste país não me interessavam, pois eram demasiado ruins […]”.

Como Olavo iniciou um curso de Filosofia sem ao menos ter concluído a educação básica? E como ele pode dizer que os outros cursos no país não o interessavam se ele não poderia mesmo fazer nenhum deles mesmo se quisesse? Ou será que ele diz que os cursos eram ruins justamente porque não poderia fazer nenhum? Em nenhum momento Olavo teve a hombridade de dizer: “eu não poderia fazer um curso universitário de filosofia ou de qualquer outra coisa porque abandonei a escola e não tinha nem mesmo um diploma de ensino básico”. Não, Olavo omite seu fracasso escolar e sua impossibilidade de fazer um curso superior regular para esconder-se atrás de um escudo que ele inventou para si: falar mal da universidade leva as pessoas a esquecerem de seu vexame escolar e sua incompetência para cursar uma faculdade. É preciso que o sr. Olavo esclareça como estudou Filosofia por três anos na PUC sem um diploma de ensino primário. Em algumas ocasiões em seu programa de rádio, chegou mesmo a defender a derrubada do prédio de ciências sociais da USP. Outra afirmação curiosa, já que sua filha se formou em História na USP. Parece que a filha realizou um sonho de juventude que seu pai, frustrado e fracassado, não pôde e agora se limita a esculachar a universidade. Se a família mora nos Estados Unidos, por que ela veio estudar História justamente na USP e não na América do Norte?

O que segue é apenas uma breve amostragem de uma mente confusa, doentia e extremista.

Fracassado na escola, parece que Olavo não começou sua carreira querendo ser filósofo. Ele começou fazendo algo que não exige diploma de coisíssima nenhuma, mas apenas uma habilidade: a de enganar, ser um vigarista, como segue:

Olavo-de-carvalho-astrologo

É uma matéria da Veja de abril de 1980. Vejam os leitores: o vigarista cobrava 2.000 cruzeiros por uma consulta astrológica! O saudoso Carl Sagan dizia que os astrólogos jamais perderão seus empregos. Nunca faltarão mentes crédulas e ingênuas para procurarem seus serviços. O intrujão até sugere que a astrologia “é um valioso campo de conhecimento”. E era mesmo: por uma consulta por esse valor, Olavo poderia mesmo dispensar qualquer diploma. Afinal, quem precisa de diploma para ser astrólogo? Não se sabe como Olavo passou de astrólogo a teórico da conspiração; mas podemos verificar no que diz e escreve a defesa intransigente de um catolicismo ultrarradical, de onde decorre toda a sua postura antissecularista e anti-marxista.

Mas para quem acha que ele abandonou a astrologia, ledo engano. Vejamos o que ele disse sobre o assunto em um artigo de junho de 2000, publicado lá mesmo, em seu site pessoal:

A Astrologia é um elemento obrigatório, por isto quem não a estudou, não estudou nada, é um analfabeto, um estúpido. 

Ele ainda diz que não trabalha mais com o tema porque não tem dinheiro e tempo suficientes. E depois ele faz uma revelação estarrecedora: A era de Aquário é exatamente isto, a era da farsa, e já estamos nela. O Anticristo já está aí. Hoje, através dos meios de comunicação, é possível que dez pessoas mintam simultaneamente para bilhões e a farsa fica estabelecida.

Ah bom, o “Anticristo” já estava bisbilhotando por aqui no ano 2000, e somente o sr. Olavo sabia disso. Que coisa, hein? Parece que ele não sabe se é filósofo, astrólogo, profeta. Até Inri Cristo é mais coerente do que este senhor. Como eu disse, um tratamento psiquiátrico cairia muito bem a ele, talvez assim muitas mentes jovens seriam salvas de serem destruídas por suas preleções intolerantes. Há décadas Olavo é monomaníaco, sua obsessão pelo comunismo pode tê-lo levado a acumular muitos traumas psicológicos no decorrer desse tempo, que somente um tratamento poderia (talvez) ajudá-lo a superar. Sua necessidade constante de ridicularizar interlocutores por meio de calúnias e difamações, como já fez em duas ocasiões com este blogueiro, pode esconder uma personalidade extremamente problemática. Pessoas como ele, que sentem um prazer e necessidade constante de insultar a outros, para convencer-se de uma superioridade intelectual, não podem ser abordados ou confrontados como pessoas de tino normal, com quem se pode conversar ou discutir.

Continuemos nossa amostragem:

profecia

Vejam o que o sr. Olavo quer dizer: somente a Igreja Católica pode restaurar a “sanidade” do mundo e algumas mentes se destacarão nesse processo. E ele começou dizendo que isso não é uma “profecia”. Se não é uma profecia, então é o quê? Podemos concluir que é um delírio? Que ele estava bêbado escrevendo no Face? Não é à toa que somente fanáticos religiosos levam o tresloucado jornalista a sério. Isso já explicaria tudo. Mas deixemos Olavo continuar falando.

Fátima-profecia

Os tais “segredos de Fátima” constituem uma das maiores fraudes na história do Cristianismo contemporâneo, uma estratégia utilizada pela Igreja  através de três crianças para explorar a credulidade das pessoas na primeira metade do século XX, em um contexto de forte declínio da fé católica. Além do fato de que as três crianças escolhidas para repassarem a invenção das tais aparições tiveram suas vidas arruinadas, as aparições se tornaram uma importante fonte de arrecadação de dinheiro pela Igreja até nossos dias com as peregrinações. (Clique aqui para saber um pouco mais sobre o assunto). Pelo visto, Olavo encontrou nessa fraude um plano de fundo pra seus delírios conspiratórios, haja vista que seu público é majoritariamente católico. E para quem ainda acha pouco:

KGB, Fátima

Quantas sandices em um só post de facebook! Que tipo de delírios esse homem têm em suas noites de insônia? Fanatismo religioso a granel é o que o senhor Olavo tem a oferecer, quer em seus escritos, em seus sites ou nas redes sociais. E como todo fanático, ele não dialoga, ele prega, quer a conversão do interlocutor e, se não consegue, parte para o enxovalhamento criminoso de sua reputação para provocar medo, intimidar e silenciar. Essa estratégia é velha, ele a utiliza de forma invariável com seus desafetos e depois canta vitória a seus aduladores nas redes sociais. Diante disso, não deveríamos nos surpreender com essa outra mensagem:

intolerância

Olavo finge que o vídeo “Especial de Natal” do canal Porta dos Fundos não é humor, não viola a constituição e conclama sua matilha a “não continuar permitindo que abusos como esse aconteçam”. Ele chega a sugerir que padres e pastores poderão ser mortos por causa disso. Veja o leitor: no início do texto mostrei como Olavo me imputou um crime sem que eu jamais o tivesse cometido e aqui ele age de forma bem semelhante. Quem acompanha o trabalho de Fábio Porchat conhece seu jeito brincalhão, muitas vezes meninão mesmo e jamais vi Porchat dizer qualquer coisa que implique ódio a qualquer religião. A verdade é que Olavo tem feito uma campanha sistemática no Facebook para criminalizar a liberdade de expressão e a própria democracia. Veja o leitor que fala de “décadas de tolerância” para quem critica a Igreja. Então quer dizer que é preciso ser implacável com os críticos e não deixá-los falar? Por outro lado, sacerdotes podem ser homofóbicos, misóginos e preconceituosos o quanto quiserem, ninguém pode tocar neles, nem mesmo cobrar impostos de suas igrejas. Mas qualquer crítica, qualquer sátira inofensiva é vista como um atentado, algo aterrorizante. Olavo de Carvalho cansa nossa inteligência, mas vejamos outras amostragens:

Fanatismo religioso e homofobia não combinam?

homofobia-31-12-13

Isso foi postado em 31 de dezembro de 2013. Agora, eis a sua meta de vida:

meta-de-vida-31-01-2014

Esse post é de 31 de janeiro de 2014. Seria redundante dizer que uma “erudição profundamente cristã” não pode ser outra coisa senão intolerante. E “obscena” não pode ser outra coisa senão caluniosa. Olavo quer se multiplicar através de seus alunos, que não possuem personalidade, autonomia intelectual nem ideias próprias. E ele chama isso de “genuíno estilo brasileiro de alta cultura”. Não, essa é apenas a genuína baixa cultura olavética. Essa horda de fascistas trogloditas não pode ser outra coisa a não ser uma xerox da personalidade megalomaníaca de seu mestre. Mas, espera um pouco… “Fascistas”? Olavo não defende a democracia e o liberalismo? Novamente, deixemos que ele fale:

fascismo

Jamais vi um autêntico democrata e liberal defender o fascismo. E quando eu disse, em várias ocasiões neste blog, que Olavo é fascista, me acusaram de estar falando apenas como insulto, pois para essas pessoas, ele não poderia ser fascista. Eis aí mais um prova do que venho afirmando: democracia e liberalismo são apenas máscaras que Olavo usa para arregimentar seguidores e inculcar-lhes uma doutrina de extrema direita, que nada tem de democrática e liberal em sua essência. Por outro lado, quem conhece Olavo, sabe que ele berra para todos que fascismo é de esquerda, que fascismo e comunismo são, em essência, a mesma coisa. Mas, se são tão semelhantes, como um homem bom e normal pode ser fascista se os comunistas nunca prestam? Em outras palavras, se fascismo e comunismo são de esquerda, então existe uma esquerda do bem e outra do mal? Há uma esquerda boa e outra que não presta? Ou será que neste post ele esqueceu de pôr a máscara que tão cuidadosamente usa em seus artigos para o Diário do Comércio e deixou escapar que os dois regimes e ideologias não são idênticos? Como é possível entender uma mente tão confusa? Acontece que Olavo nunca escondeu que é favor do fascismo, apenas suas ovelhas não conseguem perceber isso – algumas mais ingênuas, porque os cachorros mais velhos já são bem conscientes disso.

Mas para quem ainda quer achar que Olavo é filósofo, aí vão duas pérolas de dar vergonha alheia:

filosofia -22-02-14

marxismo-29-02-2014

No primeiro post, de 22 de fevereiro de 2014, vemos a que a simples empatia que ele sente por alguns pensadores antigos e medievais e uns poucos modernos é suficiente para que, do alto de seu cavalinho de pau, ele julgue todo o restante da filosofia moderna como produto de “mentes deformadas”. Para Olavo é assim: quem ele não gosta é uma mente deformada, um psicopata, um criminoso e coisas do tipo. Depois de ler isso, alguém ainda poderia ser tão terrivelmente masoquista a ponto de querer “aprender” filosofia com o sr. Olavo de Carvalho? No segundo post, de 29 de fevereiro de 2014, essa eruditíssima análise do marxismo é realmente digna de um pulha que não passou da quarta série.

Mas, será que seus aluninhos e discípulos são mesmo tão subservientes? Vejamos o que ele tem a dizer a respeito:

alunos rebeldes

Ah bom, eles apenas estão colocando em prática o que aprenderam com o mestre. Nada mais justo.

Aí está mais uma breve amostra (entre tantas que já foram postadas neste blog) do que pensa o ogro da extrema direita brasileira. Olavo é um sujeito pernóstico, pedante, mendaz, histérico, sacripanta, cujos escritos e discursos especiosos somente seduzem à súcia de mandriões e sicofantas que o segue. Em outras postagens que fiz sobre ele (o leitor pode acessá-las no tema que leva seu nome na lateral do blog), mostrei vários equívocos intelectuais de sua parte. Por trás do culto à personalidade que seus claques fazem na internet, especialmente no Facebook, esconde-se um homem ressentido, um indivíduo prosaico, frequentemente patético, que ainda tenta compensar seu fracasso escolar escrevendo diatribes contra universidades e professores brasileiros e ministrando um curso de filosofia mambembe para outros ressentidos como ele.

Anúncios

96 thoughts on “Um perfil de Olavo de Carvalho

  1. Silvana aparecida barbosa 01/10/2015 / 13:51

    Olá, olavo de carvalho é apenas a pontinha de um iceberg mafioso, sabe quem me apresentou o ” filósofo astrólogo comerciante etc”???o padre paulo ricardo de azevedo e o fez com as melhores recomendações…tenho o segundo grau completo e nunca fui fã de filosofia, mas como eu estimava padre paulo ricardo aderi ao face de olavo de carvalho, comecei a notar uma rede imensa de faces católicos onde havia muitas mentiras, e isso continua, é um mar de lama sem fim,estou verificando que se trata de uma máfia muito poderosa que roubam através de ongs, institutos, fundaçoês…a pior quem está levando é a Igreja Católica porque eles se infiltraram dentro dela, sou católica e amo Jesus Cristo, imaginem como Ele deve se sentir vendo o inimigo pintar e bordar com Sua Cruz. Esta máfia esta sabendo que eu sei e se eu creio em Deus é porque recebi uma graça muito grande para ver o que estou vendo e não perder minha fé…vi num outro endereço que olavo de carvalho pegou dinheiro de alguns alunos para uma suposta viagem e a viagem não aconteceu e ele ficou com o dinheiro, tudo se encaixa perfeitamente…o padre paulo ricardo é da canção nova que recebeu computadores de presente com o dinheiro sujo do chalita…se eu fosse escrever tudo ficaria uma semana digitando… Paz e bem, se vocês não forem fakes que o estão promovendo com ataques, porque de tudo eu já vi.

  2. Cornelio A.Dias 21/02/2016 / 12:21

    Lendo este artigo resolvi não opinar sobre ele porque penso que se trata de divergências científicas entre vocês, mas, por outro lado acho esta divergência importante porque tanto você como ele são defensores críticos, e este embate entre críticos é importante para influenciar e forma opinião ao senso comum; que é manipulado pela mídia. Eu leio algumas matérias do Olavo porque eu pesquiso sobre a Nova Ordem Mundial, e ele trás algumas informações importantes do contexto político-filosófico atual que me serve como contraste no contexto teológico, o restante eu reciclo. Tenho algumas divergências sobre algumas questões, mas, não expresso por não ser convenientes, porque tenho em minha concepção política tendente à esquerda democrática. Como a filosofia, a política não é o meu campo de pesquisa, mantenho me neutro e absorvo apenas o que é relativo à teologia. Agora se você disser qualquer coisa sobre o amigo dele Reinaldo Azevedo, quanto a este sim, acho um desperdício de tempo ler qualquer coisa que ele publica.

    • Bertone de Oliveira Sousa 21/02/2016 / 16:27

      Cornelio, ninguém de esquerda leva a sério discursos de nova ordem mundial; só a direita radical e fundamentalistas religiosos ou gente sugestionável dá crédito a isso nem usa Olavo como informação importante pra nada. O Olavo é limítrofe e quando alguém o toma como fonte para alguma coisa é porque já está com a cabeça estragada.

  3. Eugênio 28/03/2016 / 18:10

    Apenas uma sugestão, Bertone: experimente textos mais sucintos. Você pode apresentar sua defesa, ponto por ponto. Assim de uma só vez, torna-se cansativo. Para mim, Olavo de Carvalho era um “dissidente” da extinta TFP, que teria adotado uma linguagem chula para cooptar aqueles que não suportam um conservadorismo tão radical.
    Depois, passei a achá-lo um espertalhão que não é nada. Toda essa celeuma que tem provocado na web serve a seu propósito maior, que é vender seu lixo, ôps, livro, “O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota”. Em resumo…Resuma! E sucesso na sua luta contra a vigarice.

  4. Edson José da Silva 04/04/2016 / 18:33

    Como Fisiologista e estudioso do comportamento, especialmente do comportamento de animais não – humanos, só posso dizer que este indivíduo é uma aberração mental, sem paralelo entre os seres vivos.

  5. Marcus Canesqui 07/11/2016 / 9:41

    Ontem eu tive uma discussão com um fã de Olavo. A discussão não partiu para baixaria como o Olavo faz, mas defender Olavo de Carvalho é igual defender a malária.

  6. mell75 25/12/2016 / 23:45

    Adorei seu artigo,me considero de Centro,por não gostar de extremos e posso te dizer que este Senhor e seus seguidores beiram ao talibanismo,por isso me afasto cada vez mais e tive que retirar uma orda deles do meu perfil original no face,justamente por serem exatamente como vc os descreve.

  7. Alan 26/02/2017 / 16:39

    Se existissem penas ou exílios para propagadores de bobagens Olavo tava em outra galáxia sendo executado depois da condenação a 40 milhões de penas de morte. Exagerei? Será?

    Esse cara é a escória da filosofia mundial. Me lembro de uma discussão que tive com uma “pérola” dele que teve a coragem de argumentar “se for por credenciais Platão, Sócrates e Aristóteles não tinham formação acadêmica”, e outro bombardeou as seguintes palavras “Mestre Olavo é filósofo, neurocientista, jornalista, econômico, psicólogo, historiador político… e você?”. A discussão acabou aí porquê me deu uma crise de risos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s