Olavo de Carvalho: um filósofo para racistas e idiotas

Texto atualizado em 21/03/2013

Olavo de Carvalho é um católico conservador que, incapaz de conviver com ideias diferentes na academia brasileira, resolveu estudar filosofia sozinho. Essa sua incapacidade, no entanto, é algo que marca toda a sua trajetória de vida, se traduzindo em uma profunda intolerância a qualquer pensamento divergente do seu. No site Mídia sem Máscara, do qual Olavo é dono, vários colunistas expõem todo tipo de pensamento preconceituoso, tacanho e reducionista travestidos de “jornalismo”.

Como católico conservador, Olavo possui um profundo medo de ir para o inferno após a morte. Embora isso seja risível, é o que ele demonstra em vários vídeos seus espalhados pelo Youtube, como este. E para tentar garantir sua ida ao céu, ele atribuiu a si mesmo uma missão: dedicar a vida a combater o comunismo e o marxismo em todas as suas formas de manifestação.  E nada escapa à sua obsessão anti-comunista: positivismo, ciência, secularismo, ateísmo – nada que não seja escolástico e profundamente reacionário.

Não importa que a Guerra Fria tenha terminado e o comunismo internacional tenha arrefecido juntamente com ela; ele não se deu por satisfeito e continua sua cruzada incansável contra todo esquerdismo, como ele caracteriza as entidades globalistas que, segundo ele, pretendem solapar os valores da família cristã e impor em seu lugar a agenda dos movimentos homossexual, feminista e ambientalista. Há anos ele tem sido um dos defensores de golpes militares pró-Estados Unidos na América Latina.

Nos últimos quatro anos, Olavo não cessou de falar sobre a falsidade da certidão de nascimento de Barack Obama, advertindo que ele é comunista e membro da fraternidade islâmica, tendo sido eleito presidente para minar o poder dos Estados Unidos no mundo, o que pode ser visto através do enfraquecimento das forças armadas americanas e pelo favorecimento dos grupos ligados à fraternidade islâmica nos países onde ocorreu a “primavera árabe”. Ele costuma elogiar o patriotismo dos norte-americanos, a importância que dão às forças armadas e deplorar o fato de que isso não existe no Brasil. Às vezes se mostra entusiasta do regime que vigorou no Brasil durante o Segundo Reinado. Também deplora o fato de o regime militar brasileiro não ter aniquilado a esquerda, antes permitindo que se tornassem proprietários de editoras e meios de comunicação.

Acusando sempre a imprensa brasileira de ser aquiescente em relação a esses eventos, ele se coloca como um jornalista que fala “a verdade” dos fatos. Afirma que o Brasil vive um regime totalitário sob o governo do PT, nutre um profundo desprezo por Dilma, Lula, pela Teologia da Libertação e por todos os teóricos da esquerda, sejam brasileiros ou não. Ele mesmo não se envergonha de dizer que, quando Lula foi eleito, tentou alertar as autoridades americanas acerca da “ameaça” que representava sua subida ao poder. É muito curioso esse interesse que ele demonstra pelo nacionalismo americano e pela direita cristã que apoia o partido Republicano. Olavo fala de Lula como a própria encarnação do mal, e frequentemente se refere ao ex-presidente com espasmos viscerais de ódio. Denuncia que o PT pôs em prática a estratégia gramsciana de mudança da sociedade pelo controle permanente das instituições.

Ele atribui os problemas educacionais do Brasil unicamente à esquerda e omite o fato de que foi o regime militar que sucateou o ensino de humanidades no Brasil, excluindo dos currículos disciplinas como línguas clássicas e francês, além de filosofia e sociologia e reduzindo inclusive o ensino da língua portuguesa. Qualquer um que seja minimamente informado sabe que ele mente quando fala essas coisas. Tudo isso deixa bem claro que Olavo não quer um país onde a esquerda participe do jogo democrático. Embora queira passar a imagem de liberal, ele não o é. Prefere uma ditadura fascista ao estilo franquista, que esmague a oposição e imponha a ferro e fogo os valores do catolicismo tradicional e do pensamento conservador.

Olavo ministra, pela internet, um seminário de Filosofia, curso em que ele, sozinho, trabalha todos os aspectos da disciplina, além de lições sobre história, psicologia e o que mais lhe der na telha. Olavo pensa o mundo de forma monomaníaca: tudo o conduz para um discurso denuncista da esquerda. Ele afirma ter passado vários anos estudando o marxismo, período que ele considera como de “autoenvenenamento”. Não reconhece qualquer importância nos trabalhos de Marx e Engels ou de qualquer outro teórico da esquerda, associando sempre esses autores ao stalinismo e aos gulags. Apesar de afirmar que estuda o assunto há quatro décadas, ele repete há anos os mesmos chavões.

Embora nem tudo o que Olavo diga seja desprezível, e algumas de suas análises tenham certo teor de relevância, elas, no entanto, se perdem como gotículas no oceano de asneiras que ele profere. O problema não é o fato de ele ser de direita, mas de ter descambado para um pensamento intolerante, monomaníaco, mesquinho.  Alguém que leia Olavo de Carvalho verá o quanto ele está aquém de pensadores liberais (de verdade) que se destacaram no Brasil como Roque Spencer Maciel de Barros, por exemplo. Olavo é até mesmo indigno da grandeza dos autores de quem ele usurpa seu pretenso conservadorismo, como Ortega y Gasset, Ludwig Von Mises, Otto Maria Carpeaux, entre outros.

Já tentei buscar na internet informações sobre alunos e ex-alunos de Olavo de Carvalho. E com exceção de algumas frases bajulatórias em seu próprio site do Seminário de Filosofia, o resultado foi nada. Nenhum artigo, nenhum livro, ninguém que se dedique a qualquer área do pensamento filosófico e expresse isso em publicações. Olavo costuma dizer que nunca conheceu uma pessoa que tenha sido alfabetizada pelo método Paulo Freire. Da mesma forma, nunca conheci ou ouvi falar de um filósofo que tenha sido formado por ele. Esses alunos fantasmas vivem – como é de se esperar – silenciosamente paralisados à sombra de seu mestre, de quem são incapazes (ou têm medo) de discordar e mais incapazes ainda de produzir algo minimamente relevante.

Mas então, onde estão e quem são essas pessoas? O que elas produzem? Olhando os comentários aos vídeos semanais de Olavo no canal do Mídia sem Máscara no Youtube, podemos ter uma dimensão do perfil de seus seguidores. Muitos o chamam de “grande mestre”, e, seguindo seu exemplo, achincalham a esquerda sem um mínimo de reflexão teórica. Em um de seus programas recentes, um ouvinte ligou e afirmou de forma iracunda que “odeia a esquerda”. Olavo esboça um semblante de satisfação e lhe diz mansamente que não tem que odiar ninguém, que ele precisa ser profissional.

Mas que tipo de profissionalismo ele pode esperar de seu pupilo, se o que ele diz é a única coisa que aprendeu com o mestre: detestar irracionalmente toda forma de esquerdismo, mesmo que determinadas pessoas ou movimentos nada tenham de esquerdistas ou marxistas? E verbalizar esse ódio com xingamentos e esculhambações?

No ano passado, uma reportagem do portal Ig noticiou a atividade de alguns jovens universitários de direita, que, inspirados em Olavo de Carvalho, defendem valores tradicionais e afirmam estarem dispostos a usar a força física e a morrer por isso, estratégia semelhante ao do grupo racista skinheads, demonstra a reportagem. Embora Olavo posteriormente tenha negado qualquer ligação com esses grupos e criticado a reportagem, fica evidente que esse é o resultado mais óbvio de suas posturas políticas: o incentivo a atos e pensamentos de intolerância, facilmente assimiláveis por grupos de extrema direita.

A maioria de seus admiradores não são leitores de filosofia, são antes jovens carentes de um pai, de um líder, de um guia, de um führer. São pessoas incapazes de pensar por si mesmas e compartilham com seu mestre o desprezo pela academia. Apesar de todas as suas limitações e defeitos, a academia é o lugar onde ideias podem ser livremente debatidas. Essas pessoas, no entanto, não querem debates, elas querem a imposição do que pensam que pensam, sem saberem que na verdade não pensam nada. Como Olavo, seus seguidores veem esquerda e comunistas por toda parte, um inimigo a quem eles atribuem uma importância que não existe fora de suas mentes.

Ele ainda aconselha seus alunos a usarem textos anti-marxistas de seu site para enfrentarem professores nas universidades e já citou até exemplos de que isso deu certo. Ora, somente professores muito ingênuos e dogmáticos (e ainda há muitos desses por aí) podem cair nessa. Como se não bastasse, seus seguidores têm lançado diversos produtos com a marca “Olavettes”, contendo frases de seu mestre e com o dizer “Olavettes é nóis mermo”. Não são intelectuais, são tolos. São como crianças imitando adultos, com a diferença de que as crianças carregam a pureza da inocência, e eles a terrível marca da estupidez. Esse comportamento das “olavettes” é de causar vergonha alheia, a começar pelo nome que escolheram para designar a si próprios. Enquanto Olavo continua sua empreitada para tentar chegar ao céu, seus discursos têm atraído uma legião de seguidores, fascinados por seu estilo histriônico de falar, por seus xingamentos e por sua intolerância. Essas pessoas não se destacam por erudição ou produção intelectual, mas pela abjeção de suas ações.

Para que os leitores percebam o quanto Olavo realmente não pode ser levado a sério, vejam a “refutação” que ele faz à ciência moderna e à teoria da relatividade neste vídeo. Chega mesmo a ser patológica a obsessão deste homem para ridicularizar qualquer coisa que não se enquadre em sua estreitíssima visão de mundo formada pelo ideário fascista e por dogmas da escolástica medieval. Sem absolutamente nenhuma referência teórica, sem menção a nenhuma pesquisa, ele tem a desfaçatez de sugerir que a terra é imóvel! Tudo porque o modelo copernicano mostrou a falsidade da cosmologia ptolomaica adotada pela Igreja. Esqueceram de avisar a Olavo que a própria Igreja hoje não pensa mais dessa forma, mudou seus conceitos e já até se desculpou com Galileu através de João Paulo II. O Vaticano inclusive conta com um centro avançado de pesquisa científica, onde atuam pesquisadores de várias partes do mundo.

E como alguém pode refutar a relatividade sem ao menos compreendê-la como ele próprio admite no vídeo? No auge de sua ignorância cínica, Olavo diz que Einstein inventou a teoria da relatividade pra não ter que admitir que a terra é imóvel. É impressionante quantas pessoas dão crédito e se deixam enganar por um impostor que se finge de filósofo e intelectual e pronuncia tantas asneiras absurdas e risíveis. Não é à toa que  apenas skinheads e outros grupos racistas, além de incautos sugestionáveis admiram o tal “filósofo”. Os verdadeiros liberais e pessoas sensatas da direita se envergonham até mesmo de mencionar-lhe o nome, afinal Olavo não é referência para nada que se queira produzir cientificamente. Ele mescla seus sentimentos de revolta pessoal com a esquerda com fanatismo religioso e sua personalidade megalomaníaca de se achar “um grande intelectual” a quem ninguém se compara no Brasil. É de dar dó. Ele critica intelectuais como Leandro Konder chamando-os de militantes mas incrivelmente não consegue se enxergar como militante de extrema direita.

Se fôssemos elencar as asneiras ditas e escritas por ele, teríamos de fazer um blog voltado exclusivamente a isso. Apenas mais um exemplo: em seu site pessoal há um texto assinado por José Nivaldo Cordeiro, “Discutindo o capitalismo”. No texto, o autor, que não passa de uma sombra de Olavo de Carvalho, fala coisas tão infundadas sobre Weber e Marx que não é possível dizer que se trata de um texto sério. Ele diz que o cristianismo fundou o princípio da igualdade jurídica quando lançou a máxima do “amar ao próximo como a si mesmo”. A noção de igualdade do Cristianismo primitivo não era jurídica, mas espiritual, não é à toa que suas verdades permaneceram no nível da dogmática por muitos séculos, apenas tardiamente ganhando elaboração intelectual. A moderna noção de igualdade jurídica remonta aos pensadores deístas do Iluminismo e, com base em suas ideias, à subsequente separação entre Estado e religião. A Igreja Católica não poderia tê-la desenvolvido na Idade Média porque sua cosmovisão estava ancorada no tomismo e na Escolástica, que preconizavam a subordinação do Estado à Igreja como a ordem natural estava subordinada à sobrenatural. No Antigo Regime da era moderna, o Estado, em aliança com a Igreja, exercia o poder a partir do princípio do direito divino dos reis, uma das características a que posteriormente se opôs o pensamento liberal, de matriz protestante. O que ele fala sobre “amor ao próximo” sequer pode ser considerado um argumento porque não tem fundamento histórico. A noção de igualdade jurídica é um anacronismo se aplicado à Idade Média. A atuação dos Tribunais da Inquisição também o provam. Durante séculos, dezenas de milhares de pessoas foram torturadas e executadas por divergirem ou serem suspeitas de divergirem dos dogmas oficiais da Igreja. Os tribunais não tinham preocupações com provas, qualquer acusação do tipo “ouvi dizer que fulano…” já eram suficientes para levar alguém a se tornar réu. Uma vez nessa condição, não havia possibilidade de absolvição. Depois ele diz que “sem a mensagem salvadora de Cristo ainda estaríamos vivendo formas imperiais e/ou tribais de organização social”. Será que o senhor Nivaldo Cordeiro não sabe o que foi o feudalismo, o cesaropapismo, a servidão que subsistiu por mais de um milênio após a queda do Império Romano? Claro que sabe, mas omite isso.

Depois ele diz que Weber cometeu vários erros, como “associar a eclosão do capitalismo ao protestantismo” e que ele fez isso por ser protestante e ter uma visão depreciativa do catolicismo e diz que houve uma “explosão de produtividade agrícola na Idade Média pelo talento dos monges católicos”. Parece que o autor nunca leu nem Weber nem autores renomados como Jacques Le Goff, Henri Pirenni e outros. Só faltou ele dizer que a Revolução Industrial começou nos mosteiros medievais. Ora, Weber não associou a origem do capitalismo ao protestantismo mas mostrou a diferença entre o ascetismo católico (extramundano) e o protestante (intramundano), demonstrando como a mentalidade deste último foi essencial para o desenvolvimento do comércio e, posteriormente, da indústria.  E isso nada tinha a ver com o fato de ele ser protestante ou não gostar do catolicismo. No texto, “Rejeições Religiosas do mundo e suas direções”, Weber retoma o assunto acrescentando outros elementos importantes, que Nivaldo Cordeiro sequer se deu o trabalho de ler, assim como não leu o capítulo de “Sociologia da Religião” na obra “Economia e Sociedade”, também do Weber. Não é por acaso que as análises de Weber sobre o tema continuam não apenas atuais e insuperadas, como também não houve críticas capazes de mostrar qualquer falsidade nelas.

No parágrafo seguinte ele diz que a Igreja adquiriu uma “herança imperial maldita” de Roma. “Herança maldita?” O uso de tal juízo de valor, depreciativo e absolutamente desnecessário pra algo que pretendia ser uma discussão histórica, já é suficiente para despacharmos o texto para o lixo. Aqui ele prova sua falta de seriedade, de distanciamento do objeto, sua ignorância histórica. Ele está analisando a origem do capitalismo não com base numa pesquisa ou discussão teórica, mas com base em seus sentimentos pessoais de aversão ao protestantismo, em seu fanatismo religioso. Ele utiliza autores como Paul Johnson, mas numa apropriação ingênua. Ele quer mostrar que o protestantismo não foi importante para o capitalismo, associando isso à herança clássica apropriada pela Igreja. Trata-se de uma interpretação completamente falsa de Weber e da retomada da herança clássica no Renascimento. Não vou entrar em detalhes sobre Weber porque em minhas publicações já discuti isso. Além disso há uma farta bibliografia sobre o assunto disponível inclusive na internet que o leitor pode usar para se informar, como os artigos do falecido sociólogo da USP Antonio Flavio Pierucci, um dos principais divulgadores da obra de Weber no Brasil, que ainda ajudou a traduzir e organizou a publicação de  “A Ética Protestante…” para o português para a editora Companhia das Letras. Vale ainda indicar a biografia intelectual de Weber de Reinhard Bendix, uma das melhores já produzidas. A estratégia de Olavo e seguidores é a seguinte: eles pegam alguns autores católicos ou de extrema direita, reafirmam o que eles dizem abrindo mão do diálogo com qualquer outro autor ou vertente, depois posam de grandes intelectuais e sabichões. Se a pessoa não for atenta cai na armadilha porque eles argumentam bem, usam a dialética erística pra enganar os incautos.  São pessoas inescrupulosas e que não têm comprometimento com a investigação científica, só com a militância e não se envergonham de fraudar os fatos para se colocarem como arautos da razão.

Uma vez, enquanto apresentava seu programa de rádio True Outspeak, um ouvinte telefonou e perguntou a Olavo o que ele achava da filosofia de Paul Ricoeur. Olavo respondeu diminuindo a importância da obra dele e dizendo que não tiraria três meses de sua vida pra ler Paul Ricoeur. Quem já teve contato com a obra de Ricoeur sabe que foi um dos mais importantes filósofos do século passado, principalmente por seus estudos sobre narrativa histórica e de ficção, hermenêutica e sobre a memória. É muito estranho Olavo ignorar sua obra e se recusar a estudá-la. Mas logo compreendi o porquê: Ricoeur não era um teórico da conspiração nem um militante anti-comunista e pra Olavo não interessam discussões fora desse campo. Ricoeur era um intelectual católico, mas não um extremista. Também me causa muita estranheza o fato de os seguidores de Olavo não perceberem sua desonestidade intelectual: ele se tornou obcecado pra combater o marxismo e faz isso a partir de posturas tacanhas como o fanatismo religioso, facilmente assimilável por jovens com pouca leitura de livros e de mundo.

Muitos outros exemplos poderiam ser citados, mas o que foi exposto já serve como amostra de quem se trata o homem que considera a si mesmo “o maior representante da alta cultura” no Brasil. Olavo de Carvalho não é filósofo, é um tagarela anticomunista, teórico da conspiração, ex-astrólogo revoltado por não ter encontrado espaço na universidade brasileira para suas logomaquias megalomaníacas e obsedado por sua intelectualidade imaginária. Um ogro da extrema direita brasileira.

PS.: Se não bastasse ser um vigarista intelectual, Olavo ainda foi acionado judicialmente por estelionato . CLIQUE AQUI e saiba por quê.

P.S. 2: Uma das mentiras mais disseminadas por olavetes é o argumento de que o fascismo e o nazismo foram ideologias e movimentos políticos de esquerda. Por causa das refutações que fiz a Olavo neste blog, vários leitores me mandaram e-mails expressando dúvidas em relação a isso e me pedindo esclarecimentos. Por isso, escrevi um artigo embasado em renomados historiadores para deixar para os leitores como texto propedêutico e como fundamentação. Para compreender por que o nazismo era de direita, leia o texto Socialismo e Nacional-socialismo.

Leia também neste blog:

Olavo de Carvalho e a pieguice intelectual brasileira (minha resposta a um vídeo difamatório de Olavo)

A Confusão mental dos seguidores de Olavo de Carvalho

Fascismo e Comunismo: resposta a um blogueiro histérico

Um perfil de Olavo de Carvalho

Olavo de Carvalho faz apologia ao crime e à ditadura militar na internet. 

Outros textos sobre o assunto podem ser acessados no Tema “Olavo de Carvalho”, no menu do blog.

About these ads

213 thoughts on “Olavo de Carvalho: um filósofo para racistas e idiotas

  1. Gustavo Covolo 17/12/2014 / 9:26

    Texto antes de tudo arrogante, como é de certa forma a comunidade acadêmica, que se fechou em uma visão dogmática e não consegue assimilar a totalidade dos divergentes…com isso, perde sua função social e abre espaço para a formação de grupos de estudo e institutos independentes, mas que formam opinião e vão contestar cada vez mais o saber institucionalizado mas que muitos não se identificam…sou medico, não sou filósofo, não tenho compromisso com o pensamento vigente no meio acadêmico e escolho minhas referências de acordo com minha criticidade…taxar seus leitores de racistas, idiotas ou facistas não intimidará quem tem massa crítica. Eu não preciso do seu aval, aliás dispenso…a comunidade vai muito maior do que as muralhas burocráticas da universidade…

    • Bertone de Oliveira Sousa 17/12/2014 / 12:32

      Gustavo, seu comentário reflete a ignorância que grassa hoje na classe médica e a baixa qualidade de nossos cursos de medicina atualmente. Outrora, médicos tiveram excelente atuação intelectual fora de sua área específica de atuação, inclusive na literatura houve bons representantes que jamais desprezaram a academia como lócus privilegiado de produção do saber, que é o que a universidade de fato é e não pode deixar de ser. Havia preocupação com a formação humanística que projetou muitos expoentes dessa área, não se limitando ao cientificismo pragmático dos atuais cursos de medicina. Em parte por causa disso, hoje muitos são mal formados e ainda reproduzem lamentáveis chavões de senso comum como isso que você disse, que nada tem de criticidade, mas apenas de imbecilidade mesmo, de quem não tem noções mínimas de filosofia ou formação humanística. Pessoas mal formadas assim ficam facilmente sujeitas a extremos ideológicos e ainda se orgulhando da própria estupidez. É realmente lamentável.

    • Graça Vieira (@GraaVieira) 05/01/2015 / 8:45

      Os médicos brasileiros sem nenhuma formação humanitária, realmente nos causam vergonha por seu procedimento anti ético. A falta de compromisso com seus pacientes, a desonestidade com suas cargas horárias na rede pública, certamente deve fazer com que Hipócrates vira-se no túmulo.

  2. Carlos Silva 06/01/2015 / 10:27

    Tomara que o cigarro do Olavo o leve o mais breve para as tuas mãos, Cocôvolo!!!

  3. Pietro 12/01/2015 / 13:20

    Professor, Olavo chegou ao ponto de sugerir uma milicia cristã em seu facebook.O quê o senhor acha?

    • Bertone de Oliveira Sousa 12/01/2015 / 14:12

      Pietro, faz tempo que venho denunciando Olavo como um fanático religioso, até falei disso no texto “Um perfil de Olavo de Carvalho”. Formar milícias numa democracia para combater a própria democracia é coisa para pessoas impotentes, incapazes de aceitar a rejeição social nas urnas, sem capacidade intelectual para o debate de ideias e que só revida com o uso das armas ou no mínimo com incitação ao ódio. É isso o que ele faz e é isso o que define seus seguidores.

      • Pietro 12/01/2015 / 15:27

        A milicia seria criada para combater os muçulmanos,que são minoria no pais.O senhor acha que isso pode vingar?

  4. Pietro 13/01/2015 / 21:55

    Entendo, professor.Mas tenho medo de que os planos de Olavo se tornem reais.

    • Bertone de Oliveira Sousa 13/01/2015 / 22:08

      Nossa formação social é sincrética e avessa a esse tipo de ação. Existe fundamentalismo, mas restrito a indivíduos e tendências isoladas, não formam um grupo coeso e nada que se aproxime de milícias no estilo islâmico. O Olavo é um sacripanta que fala qualquer bobagem e não assume responsabilidade nenhuma pelo que diz. Essas pessoas que o ouvem gritam muito na internet, mas não tem expressividade social.

  5. Willington Yunes 23/01/2015 / 6:01

    Na minha humilde opinião o Sr. Olavo de Carvalho e um fanático reacionário, que, em algum momento da sua vida ( tal vez com o fim da ditadura militar a qual ele abertamente faz apologia assim como o mentecapto do Bolsonaro), teve uma perda muito grande, seja de poder, ou econômica, faço minhas cada palavra aqui escrita pelo prof. Bertone ( alias um texto digno de reconhecimento acadêmico ), assino embaixo. Parabéns Prof. Bertone pela iniciativa de desmascarar esse Doente Mental. que lamentavelmente tem seguidores.

  6. Alex de Souza 11/03/2015 / 9:48

    O senhor Olavo de carvalho é a sua antítese senhor Bertone de Oliveira Souza. A partir de meias verdades vocês constroem verdades absolutas e as defendem com a própria alma. O viés escraviza os incautos e vocês são incapazes de fugir a essa dicotomia ideológica. A questão aqui é enxergar além. Além das aparências, além das pessoas, além das ideologias e das crenças. Não importa a ideologia se o ser humano não evoluir ética e moralmente. Sem isso qualquer sistema estará irremediavelmente fadado ao fracasso.

    • Bertone de Oliveira Sousa 11/03/2015 / 13:47

      Alex, o fato de eu combater o fanatismo de direita não me qualifica como um fanático de esquerda, o que de fato não sou e também critico; e quem acompanha meus textos sabe disso. Muitos fazem juízos de valor precipitados sem conhecimento de causa. Aqui não há meias verdades nem adesão a dicotomias ideológicas.

  7. Alex de Souza 12/03/2015 / 12:59

    Vejo que o senhor ainda tem salvação, consegue pensar de maneira mais madura que a de muitos outros de esquerda/direita. Só lhe peço uma coisa: cuidado para não se deixar levar pelo “viés ideológico”, que aliena e cega as pessoas por mais bem intelecionadas que sejam. Devemos sempre considerar a possibilidade de estarmos equivocados tanto na forma de agir quanto a de pensar. Um abraço e boa sorte senhor Bertone !

  8. Guilherme De La Cruz 21/04/2015 / 23:00

    Excelente texto, parabéns professor Bertone. Olavo é um louco muito perigoso, precisamos combatê-lo, desmascará-lo.

  9. Miguel 26/04/2015 / 17:12

    Sei lá.

    Comecei lendo as primeiras 8 linhas. Parei de ler.

    Nessas primeiras 8 linhas, contei pelo menos 6 ofensas. Por outro lado não vi nenhum argumento, dado, fonte ou análise fundamentada – e nem senti que isso seria feio no resto do texto.

    O “autor” é professor do curso de história – o que e sintomático do baixo nível nas nossas universidades.

    Antes de querer ofender, o autor tem que aprender a criticar. E antes de aprender a criticar, o autor tem que aprender a argumentar. E antes de aprender a argumentar, tem que aprender a ESCREVER.

    Podia começar aprendendo a ESCREVER.

    (Se houver uma resposta, aposto que a resposta será uma ofensa contra mim ; )

    • Bertone de Oliveira Sousa 26/04/2015 / 18:08

      Caro Miguel,

      Decidi aprovar seu comentário por dois motivos: primeiro, sinto muito decepcioná-lo, mas não posso ofendê-lo, você está aquém disso e até porque seu comentário me deixou com dó, não com raiva. O segundo e mais importante é que você julgou o texto sem ler, não é o primeiro olavete a fazer isso aqui e certamente não será o último. E nesse ponto o mais curioso é que seu comentário contém dois clichês inescapáveis a qualquer olavete: a afetação de superioridade intelectual e o desprezo pela universidade, duas posturas que olavetes apenas macaqueiam de seu mestre.

      O primeiro ponto se torna mais risível por você se considerar apto a julgar um texto por falta de argumentos sem ter lido e que o autor, que você faz questão de grafar entre aspas, não sabe criticar e escrever (isto é, deixa-se de lado qualquer argumentação para atacar gratuitamente a pessoa do argumentador, a mesma postura que dezenas de outros olavetes já repetiram aqui), para logo depois citar a universidade como local desprezível – e tudo isso vindo de alguém que critica textos sem ler. E com isso você é mais um que confirma muito do que afirmam meus textos sobre Olavo e seus seguidores. Além disso, seu comentário ainda servirá para diversão de outros leitores.

      • Miguel 26/04/2015 / 21:05

        Ho ho ho : )

        Antes de tudo, parece que você não entendeu. Eu *LI* o seu texto. As primeiras 8 linhas. E, pelo estilo, já tinha dado a entender que o resto seria só um festival de ofensas vazias.

        É óbvio que você ficaria o texto todo dizendo: “Olavo é idiota, é imbecil, quem o segue é imbecil, quem o segue é idiota, Olavo é nazista, fascista, reacionário, imbecil, nazista, nazista, nazista”.

        Então, resolvi “ler por alto” o resto, pra não perder mito tempo…

        Nossa! Que previsível! Ficou o texto todo de ofensa vazia! É ou não é? : ) É ou não é? : ) Além de fazer uma descrição totalmente caricatural do Olavo de Carvalho.

        Há algum argumento? Há algum fato novo? Você apresenta uma caricatura ou uma situação e diz que quem está envolvido naquilo é imbecil, ou idiota, ou reacionário, ou coloque-aqui-a-sua-ofensa.

        (por exemplo: me mostre a FONTE ou REFERENCIA que sustente a afirmação de que Olavo de Carvalho atribui “os problemas educacionais” *UNICAMENTE* à esquerda? Nem peço fonte… porque sei que você só está apresentando algo que você ACHA que o Olavo é… sem nenhuma preocupação com referencias, fontes ou com a veracidade/credibilidade daquilo que você afirma)

        Você escreve como um MOLEQUE de 15 anos. Se eu mostro esse texto pra uma professora de portugues corretora do ENEN, você tira nota baixa – por falta de argumento.

        (exemplo: Até com grife “Olavettes” você implica! Por qual argumento lógico quem gosta da grife deveria ser considerado “imbecil”? O ” argumento lógico” aí é somente a sua MERA OPINIÃO de moleque de 15 anos que não gosta do Olavo e da grife… …)

        Alias, até na sua resposta: você não abdica do estilo de MOLEQUE! Bravatas como “Além disso, seu comentário servirá para diversão de outros leitores” são típicas de molecagem.

        Observações como “seu comentário me deixou com dó, não com raiva” é coisa de centro acadêmico! Meu senhor, ACORDE! NA SUA IDADE…. na sua idade… é feio escrever como um moleque de centro acadêmico.

        Você debate como moleque de 15 anos.

        De verdade, você é professor universitário de história?

      • Bertone de Oliveira Sousa 26/04/2015 / 22:10

        Miguel,

        Veja como não precisei lançar mão de nenhuma ofensa para você rapidamente degringolar para a baixaria. Mas eu já sabia que você faria isso. Você se ofendeu de cara porque se identificou com meu texto. O que está escrito aí te atingiu em cheio. Já lidei tanto com olavetes aqui que o comportamento de vocês é absolutamente automatizado e previsível. Você não conseguiu ler meu texto porque não consegue ler nada. Sua cabeça está cheia de patifarias. Não quero ofendê-lo (e a essa altura nem tenho mais o direito de fazer isso), mas veja como você é burro: não sabe diferenciar um texto crítico de um blog de uma redação do ENEM. Isso é sintoma de um Ensino Médio mal feito. E eu não implico com olavetes, apenas mostrei em várias ocasiões que olavetes são uma nulidade intelectual. E você está aí provando isso. Por isso seu comentário, apesar de violar a política de comentários do blog, ficará aí, como ficaram alguns comentários do próprio Olavo lá atrás. E do jeito que está, você não vai sair da condição de mais um pulha fazendo propaganda pro astrólogo. E sim, seus comentários servirão para diversão de outros leitores. Mas agora chega, você já atingiu sua cota para energúmenos.

    • isaquegc 27/04/2015 / 0:57

      Miguel:
      Sintomático é o seu comentário, escrito em Word (foi para evitar erros de digitação, provavelmente).
      Ainda que uma falácia não deva ser empregada para desfazer outra falácia, faço uso aqui do mesmo suposto “erro” que você acusa no artigo acima (que não busca ser um tratado linguístico, mas uma proposta de debate):

      “– As primeiras 8 linhas.” Ora, qualquer escritor decente escreverá oito por extenso. Eu disse: qualquer escritor decente, até mesmo os de comentários na internet.
      “– contei pelo menos 6 ofensas”. Idem na questão do algarismo.
      “– Por outro lado não vi nenhum argumento”. Erro básico de pontuação.
      “– o que e sintomático do baixo nível nas nossas universidades”. Não seria o que “é”, do verbo ser? Nível nas nossas universidades? Não seria “das”? Afinal, o suposto nível é delas e de ninguém mais.
      “– Podia começar aprendendo a ESCREVER”. Poderia! Ou a sua versão do MS Word não lhe ajudou aqui?

      Que feio!

  10. walison 02/05/2015 / 12:45

    Eu axo palhaçada algumas coisas que o olavo fala mais pera lá muita coisa q ele fala tem nexo exemplo os Bildebergues e a nova ordem mundial isso é real o aquecimento global e uma farsa qualquer cientista sabe disso.
    Deturpar Newton, George Cantor e Galileu ? Kkkkk sem comentários
    Claro que muitas idéias de Marx e Engels faz sentido Mesmo para mim q sou conservador
    Faltou Humilde no Olavo e estudar mais Áreas Exatas pow tá foda kkkkk
    Vamos debater antes de por juízes de valores.

    • sergio 05/05/2015 / 0:22

      Walison, valeu como deu fim a uma cansativa discussão da forma e não do conteúdo, que era o que tenho buscado. Professor, não sei que apito toca, mas eu deveria ter visto seus acertados comentários sobre este livro antes de compra-lo, pois, sendo o Olavo “prefaciado” por este Felipe Moura como o “maior filósofo brasileiro”, além de ignorante, senti-me realmente um idiota por ter gasto R$ 69,00.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s