Jesus Existiu?

Desde que Jesus passou a ser objeto de investigações históricas (no século XIX, originando o conceito do “Jesus histórico”), muitas questões vieram à tona acerca do problema de sua existência; um dos principais diz respeito à escassez de fontes sobre sua pessoa. Hoje, no entanto, pesquisadores de várias áreas do conhecimento e de diversos países têm dado inestimáveis contribuições para o desvelamento dos enigmas que cercam a figura de Jesus.

Há ainda aqueles que negam que ele tenha de fato existido, estabelecendo paralelos, por exemplo, entre Jesus e Mitra, Jesus e Osíris ou entre Jesus e várias outras divindades da Antiguidade. Muitas pessoas, no entanto, reproduzem determinadas concepções sem investigar os fundamentos do que estão afirmando. A internet, nesse caso, termina se tornando um instrumento de desinformação pra muita gente, quando determinadas questões são divulgadas mais com base em opiniões pessoais do que em investigações históricas apuradas. Para se conhecer historicamente um determinado tema, é necessário que se saiba quem são as pessoas que fizeram carreira acadêmica pesquisando aquele tema e se destacam por isso.

Bart Ehrman é um historiador e teólogo norte-americano e tem se destacado como um dos principais estudiosos do Cristianismo Primitivo, tendo se doutorado pela Universidade de Princeton e atualmente sendo docente da Universidade da Carolina do Norte. Alguns de seus livros já foram lançados em português, como O que Jesus Disse? O que Jesus não Disse? Quem mudou a Bíblia e por quê (no original: Misquoting Jesus: The Story Behind), Quem Jesus foi? Quem Jesus não foi? (no original: Jesus, Interrupted), Evangelhos Perdidos, entre outros.

Recentemente, Bart Ehrman publicou um novo livro com o título: Did Jesus Existed? (Jesus Existiu?), em que ele examina a questão da existência ou não do Jesus histórico. O texto a seguir é uma tradução minha de uma resenha desse livro feita pelo próprio autor, em que ele apresenta alguns de seus argumentos e conclusões. O texto original em inglês pode ser acessado clicando aqui.

Jesus Existiu?

Bart Ehrman

Em uma sociedade em que as pessoas ainda afirmam que o Holocausto não aconteceu, e em que há afirmações contundentes de que o presidente americano é, na verdade, um muçulmano nascido em solo estrangeiro, é alguma surpresa aprender que a maior figura da história da Civilização Ocidental, o homem sobre quem foi construída a mais poderosa e influente instituição social, política, econômica, cultural e religiosa do mundo – a Igreja Cristã – o homem que é adorado, literalmente, por bilhões de pessoas hoje – é alguma surpresa ouvir que Jesus nunca sequer existiu?

Essa é uma afirmação feita por um grupo pequeno mas crescente de escritores, blogueiros e viciados em internet que chamam a si mesmos de mitologistas. Esse grupo extraordinariamente vociferante de negativistas sustenta que Jesus é um mito inventado para propósitos nefastos (ou altruístas) pelos primeiros cristãos, que modelaram seu salvador através da linhagem divina de um homem pagão que também nasceu de uma virgem em 25 de dezembro, que também fez milagres, morreu como expiação pelo pecado e foi, então, ressuscitado dos mortos.

Poucos desses mitologistas são realmente estudiosos formados em História Antiga, religião, estudos bíblicos ou qualquer campo similar, sem falar nas línguas antigas geralmente estudadas por quem quer dizer alguma coisa com algum grau de autoridade sobre um professor judeu que (supostamente) viveu na Palestina do primeiro século. Existem algumas exceções: das centenas – milhares? – de mitologistas, dois (que eu saiba) realmente têm doutorado e credenciais em áreas relevantes de estudo. Mas mesmo tendo isso em conta, não há um único mitologista que ensina Cristianismo Primitivo ou até mesmo as civilizações da Antiguidade Clássica em alguma instituição de ensino superior respeitada no mundo ocidental. E não é de se admirar o porquê. Essas opiniões são tão radicais e tão pouco convincentes para 99,99 por cento dos verdadeiros especialistas daquela área como seria para eles pegarem uma vaga de emprego em um respeitado departamento de Religião como criacionistas ou como defensores da formação do mundo em seis dias num departamento de Biologia.

Por que, então, o movimento mitologista vem crescendo, com defensores tão confiantes de suas opiniões e contestações – mesmo bem articuladas – em sua radical denúncia da ideia de que Jesus realmente existiu? É, em grande parte, porque esses que negam [a existência de] Jesus são os mesmos que denunciam a religião – um tipo de pessoa que agora está muito na moda. E que melhor maneira de caluniar a visão religiosa da grande maioria das pessoas do mundo ocidental, que se mantém, apesar de tudo, predominantemente cristã, do que a alegação de que o fundador histórico de sua religião era, na verdade, o produto da imaginação de seus seguidores?

Mas a visão dos fundadores era diferente. A realidade – triste ou salutar – é que Jesus era real. E este é o tema de meu novo livro, “Jesus existiu?”.

É verdade que Jesus não é mencionado em nenhuma fonte romana de sua época. Mas isso não deveria ser contabilizado para se negar sua existência, uma vez que essas mesmas fontes quase não mencionam ninguém de sua época e lugar. Nem mesmo o famoso historiador judeu, Josefo, ou até, mais particularmente, a figura mais poderosa e importante de sua época, Pôncio Pilatos.

Também é verdade que as nossas melhores fontes sobre Jesus, os Evangelhos, estão cheias de problemas. Eles foram escritos décadas após a vida de Jesus por autores tendenciosos que estão em desacordo uns com os outros em cada linha. Mas os historiadores nunca podem descartar fontes apenas porque elas são tendenciosas. Você pode não confiar na visão de Rush Limbaugh de Sandra Fluke, mas ele certamente fornece evidências de que ela existe.

A questão não é se as fontes são tendenciosas, mas se fontes tendenciosas podem ser usadas para fornecer informação histórica confiável, uma vez que o joio tendencioso é separado do cerne histórico. E os historiadores têm buscado meios de fazer isso.

Com relação a Jesus, temos numerosos relatos independentes de sua vida nas fontes por trás dos Evangelhos (e os escritos de Paulo) – fontes que foram originalmente escritas em aramaico, a língua nativa de Jesus, e que podem ser datadas dentro de apenas um ano ou dois de sua vida (antes de a religião cristã ser mudada para converter os pagãos). Fontes históricas como essas são bastante surpreendentes para figuras antigas de qualquer tipo. Além disso, temos escritos relativamente extensos de um autor do primeiro século, Paulo, que adquiriu sua informação da vida de Jesus dentro de alguns anos e que sabia, em primeira mão, de Pedro, o discípulo mais próximo de Jesus e de seu próprio irmão Tiago. Se Jesus não existiu, você pensaria que seu irmão saberia.

Além disso, a afirmação de que Jesus foi simplesmente inventado não se sustenta. Os alegados paralelos entre Jesus e os deuses-salvadores “pagãos” na maioria dos casos residem na imaginação moderna. Não sabemos quantos outros nasceram de uma virgem, morreram como expiações pelo pecado e, em seguida, foram ressuscitados dos mortos (apesar do que os sensacionalistas afirmam ad nauseum em suas propaladas versões).

Além disso, aspectos da história de Jesus não teriam simplesmente sido inventados por quem deseja fabricar um novo salvador. Os primeiros seguidores de Jesus declararam que ele era um Messias crucificado. Mas antes do Cristianismo, não havia absolutamente nenhum tipo de judeu que pensava que haveria um futuro messias crucificado. O Messias era pra ser uma figura de grandeza e poder que derrotaria o inimigo. Qualquer um que quisesse inventar um messias faria dessa forma. Por que os cristãos não fariam também? Porque acreditavam especificamente que Jesus era o Messias. E eles sabiam muito bem que ele foi crucificado. Os cristãos não inventaram Jesus. Eles inventaram a ideia de que o Messias tinha de ser crucificado.

Alguém pode escolher repetir as preocupações de nossos menosprezadores culturais modernos e pós-modernos da religião institucionalizada (ou não). Mas, certamente, a melhor maneira de promover qualquer agenda desse tipo é negar o que virtualmente todos os historiadores sensatos do planeta – cristãos, judeus, muçulmanos, pagãos, agnósticos, ateus, o que for – concluíram baseados em uma gama de evidências históricas convincentes.

Leia também neste blog:

Existem evidências históricas para a ressurreição de Jesus?

Anúncios

16 thoughts on “Jesus Existiu?

  1. Magno Quintano 05/12/2014 / 20:08

    De nada adiantam evidências históricas quanto a existência de Jesus. Provar a existência do homem chamado Jesus nunca provará sua natureza divina, o que realmente importa àquele que nele crê. E isso somente é possível pela fé.

    • Bertone de Oliveira Sousa 05/12/2014 / 22:19

      Magno, esse artigo não é para pessoas de fé, não trata de “natureza divina” de quem quer que seja; esse artigo é para pessoas interessadas na questão da existência histórica de Jesus e esse assunto independe de fé ou credo religioso.

  2. Marcus Canesqui 15/12/2014 / 23:55

    Sou muito curioso nesse assunto, onde posso ler mais sobre ele?

    • Bertone de Oliveira Sousa 16/12/2014 / 6:46

      Marcus, esse livro do Bart Ehrman já tem uma versão em português, pela editora Agir, “Jesus existiu ou não”? Vale a pena ler.

      • Marcus Canesqui 16/12/2014 / 9:05

        Professor, você leu sobre o Geza Vermes que eu havia comentado?

  3. Marcus Canesqui 16/12/2014 / 22:03

    Foi um ex professor meu que me indicou ele foi um grande especialista nos pergaminhos do Mar Morto.

    • Bertone de Oliveira Sousa 16/12/2014 / 22:10

      Pela formação dele dá pra ver que é uma boa indicação. No Brasil, tem dois pesquisadores, um da UNICAMP, outro da UMESP que publicaram um livro introdutório muito bom sobre o personagem histórico de Jesus, André Leonardo Chevitarese e Gabriele Cornelli, “A descoberta do Jesus Histórico”. Há boas obras de pesquisadores estrangeiros disponíveis em nosso mercado, Bart Ehrman é um, outros são Elaine Pagels, Dominic Crossan e E.P. Sanders.

      • Marcus Canesqui 18/12/2014 / 22:25

        Muito bom, vou pesquisar sobre essas obras. Obrigado pelas indicações.
        Mas professor, tenho uma curiosidade. É sobre Maria Madalena, afinal o que tem de verdade sobre sua relação com Jesus? Você teria alguma indicação literária sobre esse tema?

      • Bertone de Oliveira Sousa 18/12/2014 / 22:42

        Marcus, um bom livro sobre o assunto é o do Bart Eharman, “Pedro, Paulo e Maria Madalena”. Ele discute a historicidade dessa relação dela com Jesus.

  4. Deyb 07/01/2015 / 16:36

    Já foi lançada em português a obra completa de Bart Ehrman sobre a historicidade de Jesus.

    • Bertone de Oliveira Sousa 07/01/2015 / 16:40

      Sim Deyb, pela editora Agir, adquiri ela há alguns meses e ainda pretendo resenhá-la de forma mais completa aqui.

  5. Gabriel Ramos Tavares de Pinho 22/05/2015 / 23:36

    Professor Bertone Souza,o que o senhor pensa do documentário Zeitgeist https://www.youtube.com/watch?v=ieFEHHEJj00 ,que afirma que Jesus foi uma criação a partir da mistura de histórias de vários deuses pagãos como Mitra,Krishna,Zeus,Dionísio,Rá?Eles mostram muitas semelhanças como Mitra,também filho de uma virgem,que nasceu em 25 de dezembro,e Zeus que também engravidava humanas,o senhor não acha que possa ter alguma influência pagã nesse nascimento miraculoso de Jesus,e em sua história de ressureição?

    • Bertone de Oliveira Sousa 23/05/2015 / 14:19

      Gabriel, o livro do Bart Ehrman está aí traduzido para o português. Ele faz uma discussão acadêmica e em linguagem bem acessível dos argumentos dos miticistas (como são chamados os defensores dessa tese da criação de Jesus a partir de deuses de outras culturas) e desconstrói essa tese. Pra começar a entender Jesus como personagem histórico, essa obra é um primeiro passo importante.

  6. Tadaios 24/12/2015 / 12:48

    William Craig é uma boa referência para esse temática!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s